quarta-feira, janeiro 10, 2007

IMPACTO AMBIENTAL DOS ABSORVENTES





Nossa menstruação e os absorventes....
Texto retirado do site:
www.coisasdemulher.com.br

O aBIOsorvente é um absorvente íntimo reutilizável, 100% algodão (anti-alérgico) e surge como uma alternativa ecológica aos absorventes descartáveis que, além de possuírem substâncias tóxicas, são bastante poluentes.

Você já tinha parado para pensar que podem existir alternativas aos absorventes descartáveis?

Que os descartáveis contém resíduos, do próprio processo industrial, que podem não fazer nada bem ao seu corpo (contribuindo para váaaarias doenças ginecológicas: desde a simples candidíase até um câncer de colo de útero)? Fora o impacto ambiental que eles causam: cada uma de nós irá consumir, ao longo da vida fértil, algo em torno de 10 mil absorventes descartáveis, que ficarão aí pelo mundo por volta de uns 100 anos...

Mas imagine que não é só você que está no planeta, que são milhões de mulheres
descartando todo dia absorventes, e contribuindo significativamente para piorar a qualidade de vida do mundo em que habitamos. Apenas nos Estados Unidos são jogados fora 12 bilhões de absorventes e 7 bilhões de tampões por ano. Isso é muita coisa!

Há quem pense que não pode fazer nada a esse respeito; que está esperando "alguém" inventar alguma coisa descartável que se desintegre no espaço após o uso. A questão aqui é que, até alguém inventar alguma coisa, pode demorar muito tempo. E porque a indústria irá investir tempo e dinheiro em algo que não se tem demanda?

O aBiosorvente é a solução para as mulheres que pensam globalmente e agem localmente, que sabem, que fazem a hora, e não ficam apenas esperando acontecer. Que são responsáveis por seus corpos, e estão confortáveis nele, escolhendo o melhor para si.

Como usar seu aBIOsorvente (absorve mais do que você imagina!):

- Para garantir uma boa absorção e higiene, lave antes de usar pela primeira vez.

É interessante ter um número adequado de aBIOsorventes ao seu fluxo, para que você não fique preocupada em lavar e secar rápido para usar no mesmo período novamente. Algo entre 6 e 12 aBIOsorventes é uma quantidade suficiente, irá depender do seu fluxo.

- O aBIOsorvente é composto de uma capa e de duas camadas internas. Coloque as camadas internas dentro da capa e posicione-o na calcinha com a parte sem costura volt
ada para cima. Prenda-o abraçando a calcinha.



Após usar o aBIOsorvente, se quiser você poderá deixá-lo de molho na água sem sabão e usar essa água para molhar suas plantas, pois é rica em nutrientes. As plantinhas agradecem ;-)

Depois, deixe de molho na água com sabão até a próxima lavagem na máquina. Não é preciso esfregar muito. O sangue, quando de molho apenas na água e na água com sabão, tende a sair quase ou completamente.

O seu aBIOsorvente é tão higiênico quanto uma calcinha, e deve ser lavado com o mesmo cuidado. É também bastante durável: você poderá reutilizar seu aBIOsorvente por volta de 6 anos. E, quando precisar jogá-lo fora, não se preocupe, pois ele será reintegrado à natureza em menos de um ano!

Seu aBIOsorvente já está pronto para o próximo ciclo!

Porquê Reutilizáveis?

Absorventes e tampões descartáveis são feitos de papel (árvores) alvejado e plástico, e vários contém ingredientes mais desagradáveis, como metais, surfactantes, desinfetantes, fragrância, bactericida, fungicida, gel absorvente, colas, e traços de organocloretos entre outras coisas. A lei não regula o que vai nos produtos menstruais, e as indústrias não precisam listar seus componentes na embalagem.

Pegando apenas um exemplo do impacto que isso pode ter em você: organocloretos, como a dioxina, um subproduto do processo de branqueamento, tem sido associada a problemas de saúde em humanos e animais, contribuindo para o câncer de mama, deficiências do sistema imunológico, endometriose, defeitos no feto e câncer de colo de útero (cérvix).

Nos Estados Unidos a congressista Carolyn B. Maloney introduziu o Ato de 1997 - Pesquisas e Segurança no uso do Tampão, para dar às mulheres informações mais acuradas sobre o uso de tampões, incluindo os perigos da dioxina. Há caso de mulheres que alegam infecções nas paredes da vagina devido ao uso de tampões. E produtos absorventes vem sendo associados ao aumento do risco da Síndrome do Choque Tóxico.

Cada uma de nós que usa descartáveis, joga fora algo em torno de 10.000 a 15.000 produtos menstruais durante a vida fértil. Isso é o equivalente a 17 carrinhos de supermercado cheios! Muitos tampões são jogados na privada, causando problemas no sistema de esgotos. E os aplicadores de tampões sujam as praias, não apenas poluindo essas áreas, mas milhares de pássaros e animais marinhos engolem esses plásticos por engano e tem problemas ou morrem. A maioria dos absorventes e tampões é embalada individualmente, e com plástico. Essa embalagem também vai parar no lixo. Todo produto que é usado apenas uma vez e jogado fora precisa ser reposto.

Um uso sustentável de recursos significa reduzir a porção de cada recurso que nós usamos, reutilizar o que pudermos e reciclar como última alternativa.






BLOOD SISTER PROJECT - menstruação libertária


o site http://bloodsisters.org/bloodsisters é um projeto independente em curso nos estados unidos, q visa desconstruir a imagem negativa e misógina da menstruação, conscientizar sobre os impactos ambientais e na saúde, e acima de tudo tornar a mulher independente em relação ao seu corpo e as corporações capitalistas, ensinando formas simples e práticas de confeccionar vc mesmo os próprios absorventes reutilizáveis e higienicos:

http://bloodsisters.org/bloodsisters/images/makepads.pdf
Panfleto/Lambe/Cartaz:


CARNE É ESTUPRO e a MIZOOGINIA

Qual o condicionamento ideológico iminente no gesto de comer cadáveres carbonizados do que um dia foi um ser sensciente e complexo? Qual o sentido desses rituais de genocídio e a extração cruel de qualquer significado humano e redução a brutalidade de coisas?

A afirmação da insensibilidade, a negação da vida, a violência, a normalização da crueldade, a difusão de um senso comum que diz: "NÃO ADIANTA, VOCÊ É ASSIM, SUA NATUREZA É ESSA, SUA NATUREZA É DA VIOLÊNCIA E DESTRUIÇÃO. SOMOS HUMANOS. ACEITE SUA CONDIÇÃO" o que é uma mentira! Isso nos torna ressentidos, e resignados com essa brutalização que nos castra, desumaniza e nos coloca no nosso devido lugar de desesperança e obediencia.

Carne nunca mais entrará dentro de mim. A carne é uma intervenção na nossa natureza e nosso corpo. Quando comemos carne, algo muda em nós. Internalizamos alguma coisa, algum corpo estranho, alguma idéia perniciosa, algo que nos carcome por dentro. A carne é uma imposição, assim como seus derivados, numa sociedade calcada na exploração animal. Logo, a entrada da carne em nossos corpos é a própria entrada não consentida do maldito falo patriarcal, violentando nossa natureza e nossa mentalidade.




carne é intervenção.

concluo o seguinte:

a sociedade em que vivemos não é apenas baseada na misoginia e na violência contra tudo que é feminino. Isso acaba abarcando também aos animais não-humanos, uma vez que o feminino foi identificado com a vida e a natureza, e o poder da vida, a harmonia entre todos os seres. A violência contra os animais, assim como sua discriminação, representa um tipo de mizooginia ou zoofobia semelhante à misoginia, que quer afastar tudo que é pernicioso e ligado à mulher. O HOMEM quer negar a vida, para se constituir enquanto identidade própria. A civilização é a negação sistemática de tudo que representa a vida, pois essa é ameaçadora. E quem representa a vida plena e selvagem em si? Aqueles que designamos animais.
o HOMEM não aceita a morte, tal é sua angústia de ser reengolfado pela vagina de onde saiu e sumir pra sempre. A vida representa também a morte, e a sua inferioridade perante às demais coisas. Se o HOMEM aceitasse seu lugar no universo e parasse com sua masturbação mental cosmoantropocêntrica, talvez a paz pudesse ser finalmente alcançada.

Os animais lembram o selvagem, o natural, o instintivo. Essa civilização não quer voltar às suas origens humildes. Deu um golpe de estado muito mal dado na lei da selva e se mantém de forma muito instável até hoje. O feminismo talvez seja, acima de tudo, uma luta empreendida pela travessia da humanidade até o retorno ao natural.

Até Que a Morte Os Separe

como os cães sentem o descarte
Fonte: Bruno Tausz

Não, não vou falar de casamento! Existem coisas mais importantes.

As pessoas podem decidir o que fazer de suas vidas. Infelizmente os cães não podem. Estou cansado de receber telefonemas ameaçadores no canil:

Voz - Estou com um probleminha, será que vocês podem me ajudar?
É que eu vou me mudar para um apartamento e, lá no condomínio, eles não aceitam cachorro, depois ele já mordeu meu filho e quer atacar as pessoas, mas ele é ótimo... tenho um carinho enorme por ele e estou sofrendo muito porque vou ter que me desfazer dele.
Então eu gostaria de doar o Killer para alguém que ame os cães e sei que irá tratá-lo muito bem, vocês aí aceitam doações?

BT - Infelizmente não podemos aceitar doações, procure a Sociedade Protetora dos Animais.

Voz - Eles não aceitam, se vocês não aceitarem vou ter que mandar sacrificar...

Isto dito em tom de ameaça!



O que pode um cão fazer quando não serve mais?

Em primeiro lugar, quando uma pessoa decide ter um cão, deve pensar muito bem, pois ele, supostamente, irá conviver com ela em torno de 10 a 12 anos. Claro que devemos pensar que essa união será até que a morte nos separe, mas não a eutanásia.



A Dor de Consciência
O primeiro passo é a doação! As pessoas tentam doar para quem certamente irá cuidar muito bem do seu "amado" cãozinho.

Fariam isso com seu próprio filho?

Algumas dessas pessoas, porque não dizer, a maioria, quer se desfazer do seu cão, e com razão, porque já teve problemas com ele. Ou ele mordeu alguém, ou os vizinhos estão reclamando, ou foi proibido na convenção de condomínio ou, simplesmente, o cachorro foi comprado para presente no aniversário do filho e o filho encheu o saco e não quer mais o brinquedo.

Traduzindo em bom português, em virtude de sua dor de consciência, a pessoa quer transferir o "problema" para outra pessoa. A outra pessoa vai aceitar e vai ter os mesmos problemas. Rapidinho esse cão será doado novamente.

Cada vez que um cão troca de dono, torna-se mais inseguro e, conseqüentemente, mais agressivo.

O fim dele, com certeza, será o sacrifício, termo abominável que serve para esconder o verdadeiro sentido do ato: execução sumária! Assassinato!

... e nós, humanos, ainda insistimos em classificar certos animais de "Assassinos".

O Humano teme, o Humano mata!

Sempre foi assim.

Olha quanto tempo a humanidade levou para entender as baleias. Quantas baleias foram assassinadas até quase a extinção!

Chamaram a orca de baleia assassina. Mas ela só mata para sua própria subsistência, para comer, como nós fazemos com as galinhas, bois, porcos, tartarugas, coelhos etc.

Hoje a famosa baleia assassina é excelente auxiliar terapeuta para crianças autistas, conseguindo curas incríveis jamais alcançadas anteriormente por qualquer psicoterapeuta.

Quando um tubarão ataca um surfista, que está fazendo, no entender dos tubarões, o ritual terminal da morte, "debatendo-se" na superfície da água como o fazem os peixes moribundos, sai em todos os jornais do mundo.


Mas... os tubarões só dão a primeira mordida, a carne humana é muito ruim. Esta é a razão de tantos sobreviventes a ataque de tubarões. Para cada surfista atacado, o humano assassina perto de quinhentos mil tubarões, só para usar sua cartilagem e vender, como remédio, porque dá lucro.

Nós tememos,... nós matamos.

- É cobra? Mata por via das dúvidas, não interessa se é venenosa ou não.

Mesmo as cobras venenosas, só atacam para se defender ou para defender seu rango.
O "veneno" das cobras é igual ao nosso suco digestivo, só que, como elas engolem a caça inteira, injetando esse suco para matar e não engolir o bichinho vivo. Não tem, absolutamente, o sentido de ataque como mostram os filmes de aventura.

Nós, humanos e civilizados, montamos um abatedouro de gado, chegamos ao cúmulo de batizá-lo de "Abatedouro Santa Izabel" e assassinamos os bois na base da porrada. Nós matamos para vender e lucrar com a morte.

Nós, humanos e civilizados temos esportes como a caçada e o tiro ao pombo, só para conferir nossa pontaria e passar horas agradáveis tomando uma cervejinha e assassinando animais.


Antes de Comprar um Cão

Um cão é um ser vivo e merece o nosso respeito! Nós humanos já passamos pela fase de escravizar a mulher, depois de escravizar os inimigos e os delinqüentes. Mais tarde fomos capazes até de comercializar escravos humanos porque não acreditávamos que o negro possuísse alma.

Ainda hoje, usamos o trabalho escravo de animais como o boi de tração, o cavalo de charretes e o cão de trenó.


Testamos medicamentos em animais para "evitar" testá-los em seres humanos.

Hoje, começo do novo milênio, século 21 estamos buscando no espaço sideral outros seres vivos. Queremos saber se estamos sozinhos no universo. Anunciamos como a descoberta do século o achado de microorganismos fósseis em Marte.

Porque será que o ser humano se acha mais importante que seus companheiros de vida aqui na terra? Porque relutamos em aceitar que todas as formas de vida na terra são interdependentes. Porque classificamos os "outros" animais em úteis, inúteis e nocivos (para nós, naturalmente)?

Porque procuramos vida em outro planeta quando ainda não conseguimos compreender direito a vida daqui? Porque sujamos e depredamos o nosso planeta e, ao mesmo tempo, desejamos colonizar o sistema solar e transformar Marte num planeta semelhante à Terra?

Temos que evoluir daí.


Ainda hoje temos coragem para tirar a liberdade de um passarinho, que não cometeu crime algum, só pelo prazer de ouvi-lo cantar todos os dias ou até mesmo para decorar sua varanda.

Porque justificamos que animais nascidos em cativeiro não sobreviveriam caso fossem libertados? Por acaso alguém já viu um passarinho morto depois de libertado? Então porque insistimos em acasalá-los proliferando animais cativos cuja capacidade de voar é o nosso próprio símbolo de liberdade absoluta?

Ainda bem que não acreditamos em reencarnação sob outra forma animal!

É muito comum multinacionais oferecerem filhotes em sorteio, como prêmio, para conseguirem um número maior de consumidores. Muito comum, também, é oferecerem às crianças um filhote como presente de aniversário, no meio de outros brinquedos.

O cão-objeto está em alta, às vezes substituindo bonecas.

As crianças os levam no colo, colocam-nos para dormir em caminha de boneca, sem se dar conta que este comportamento não é etologicamente normal entre os animais.

A grande vantagem dos cães-objeto é que, na realidade, funcionam como excelentes psicoterapeutas. Aos poucos as crianças estão compreendendo os animais, de uma forma geral. Não só os cães.

Os adultos ainda precisam dez anos de psicanálise para viver o aqui e agora. O instinto e a incapacidade de compreender o lapso de tempo levam crianças e animais a só conseguirem viver dessa maneira.

A relação das crianças com os animais é muito mais próxima do instinto e muito menos do intelecto.

Seria muito, pedir para tentarmos nos imaginar numa situação inversa?

São as crianças de hoje que vão ensinar aos educadores adultos como deverá ser o relacionamento entre homens e animais no próximo milênio.


04/12/2006 17:07 http://www.brunotausz.com.br/novo_site/artigo_integra.asp?id_art=6(BRUNO TAUSZ - ETÓLOGO• Escritor e articulista especializado em comportamento animal e cinologia• Autor dos livros: "Adestramento Sem Castigo" "O Rottweiler" "Meu Cão - como cuidar, educar e ensinar" "Dicionário de Cinologia" )

Observação:
'Chamaram a orca de baleia assassina. Mas ela só mata para sua própria subsistência, para comer, como nós fazemos com as galinhas, bois, porcos, tartarugas, coelhos etc.'

Atualmente, não mata-se mais galinhas/etc para subsistência.

consumo consciente


Diante da pressão exercida por pessoas que, como você, usam de seu direito de escolha para que uma transformação aconteça, inúmeras empresas em todo o mundo estão se adequando a padrões éticos de produção e prestação de serviços, sem deixar de atender às necessidades do mercado. Para que mais empresas sejam incentivadas a levar em consideração as práticas danosas aos seres humanos, aos animais e ao meio ambiente, é necessária a atuação e vigilância constante do consumidor.

Segundo o Instituto Ethos de Responsabilidade Social (www.ethos.org.br), uma empresa responsável é aquela que tem a capacidade de ouvir os interesses das diferentes partes (acionistas, funcionários, prestadores de serviços, fornecedores, consumidores, comunidade, governo e meio-ambiente) e consegue incorporá-los no planejamento de suas atividades.

Convidamos você a basear suas escolhas de produtos em valores do tipo: a embalagem é reciclada? Essa empresa participa de projetos do 3º setor? Há trabalho escravo/infantil embutido nesse produto? Essa empresa faz direta ou indiretamente testes em animais?

Ligar para o serviço de atendimento ao consumidor (vem nos rótulos dos produtos) e fazer essas perguntas é uma atitude de consumidor responsável, que está consciente do seu poder de escolha e o exerce de forma a fazer a diferença. No endereço a seguir, você poderá pesquisar produtos elaborados eticamente.

Aldeia do Futuro – mulheres e adolescentes da zona sul de São Paulo confeccionam tapetes, almofadas, xales, bolsas e outros utilizando resíduos de tecido. Tel. 11 – 5562 6860


Vários produtos que compramos no supermercado são
de uma marca, mas vocês conhecem a EMPRESA, o GRUPO que o fabrica?


Aí vão alguns exemplos:

Os produtos da marca Swift (ervilha, milho, catchup) são da Friboi. Para os que não sabem, o Friboi é o maior abatedouro do país, e não quero nem saber quantos animais abate por dia.
A Minuano, fabricante de diversos produtos de limpeza (amaciantes, sabão em pó, etc) não utiliza animais em testes, mas é da Friboi também.


Para os vegans, o creme vegetal Becell e o leite de soja da Ades são da Unilever.
Essa empresa é uma das maiores corporações do mundo, e mensalmente tem comprado empresas menores.
Para piorar, a Unilever é uma das empresas de produtos de higiene e limpeza mais cruéis em relação aos testes em animais.

Há anos várias entidades de proteção animal de todo o mundo têm lutado incessantemente para que ela cesse seus testes, não obetendo resultado algum.
Portanto, se você é vegan para não contribuir com o sofrimento e a morte de animais inocentes, não compre Becel nem Ades.


A Bunge produz a margarina Primor, Delicia, o creme vegetal Soya, o leite de soja Ciclus, o óleo Salada e é a maior produtora brasileira de proteína texturizada de soja.
A Cargill, produz praticamente todos os óleos que se acha nos supermercados:
Liza, Mazzola, Purilev, Veleiro, Azeite Gallo e La Espanola, e a maionese Gourmet.
O que a Bunge e Cargill têm em comum?

São donas de uma área GIGANTESCA da Floresta Amazônica.
Essa área foi totalmente desmatada para a plantação de soja - e grande parte dessa soja será utilizada para ALIMENTAÇÃO DE GADO DE CORTE.
E o pior: as duas empresas estão comprando mais e mais áreas de floresta nativa da Amazônia.
Com o desmatamento, o número de espécies de animais que são aniquilados é assustador.
Pássaros, mamíferos, e insetos, muitas espécies ainda desconhecidas, simplesmente destruídas pelo desmatamento financiado por essas empresas.




A Gillete havia cessado o uso de animais em seus testes, mas recentemente foi comprada pela Protector & Gamble, a "parceira" da Unilever, em se tratando de testes com animais.

O creme vegetal Deline é da Sadia. Dessa empresa nem preciso comentar nada...

E isso é apenas uma amostra de algumas empresas...

É um alerta às pessoas que pretendem tirar a crueldade da sua lista de compras, optando por uma vida sem culpa, e sempre pensando no bem-estar dos animais.

Para mim, o boicote - e a posterior informação às empresas que serão boicotadas - é uma das melhores formas de manifestar nossa indignação e desprezo por essas empresas que contribuem para a exploração animal.



Não estou pedindo para pararem de consumir produtos dessas empresas.
A escolha está nas suas mãos e só depende de você.

Mas cada vez que você vai ao supermercado e coloca um produto dessas empresas em seu carrinho de compras, você está entregando seu dinheiro à elas, para que continuem com essa cruel exploração da vida dos animais.

Lembrem-se: Vocês podem escolher, os animais não.

Fonte: Candida Vieira => candivb@gmail.com

http://www.ninarosa.org/




comentário adicional: BUNGE E CARGILL SÃO ALIADAS INSEPARÁVEIS DA MONSANTO, EMPRESA DE TRANSGENIA IMPERIALISTA E PRODUTORA DE ARMAS QUÍMICAS EM TEMPO DE GUERRA, nos tempos de "paz" transfere a guerra pro campo e domina as terras de td mundo com a semente transgenica q eh patenteada por eles e q por polinização e vento contamina as puras, tal como uma peste...fazendo com q talvez a soja original possa desaparecer da face da terra...



em poucos anos...

Num futuro bem próximo, todo mercado de produtos industrializados para consumo direto estarão na mão de oito grandes empresas mundiais, tais como PROTECTOR&GAMBLE, UNIVELER *principalmente*, MONSANTO(mamãe patriarca da cargill e bunge filhos da porra) e as outras nem lembro...
fikem atentos gente...comprar produtos em feiras, em especial orgânicas, direto do produtor, compre de empresas pequenas, locais, nacionais MAS NÃO PSEUDO-NACIONAL (colgate, sorriso, tandy etc saum tddd da unilever), não financie os monopólios e grandes corporações, pq são um monstro estilo akele filme "a coisa" ou "a bolha" que vão seguindo e engolindo td q tem no caminho e crescendo cada vez mais...logo vão engolfar nossa alma e nossas vidas pra sempre e tomar o espaço de td universo (tah me empolguei uhauhauhauh)

Direitos Animais e Fetais - uma reflexão animalista em torno do aborto

Hoy en día, la multiplicación de técnicas de manipulación de los procesos vitales y letales hace que cobre especial relevancia el debate ético sobre la legitimidad de prácticas como el aborto. Desde la perspectiva del catolicismo tradicional, el aborto es condenado por los mismos motivos por los que también lo rechazan ciertos sectores pro-defensa animal, a saber, una acrítica sacralización de la vida humana que los animalistas anti-abortistas hacen extensiva a toda forma de vida animal, e incluso vegetal, en el caso de los frutarianos anti-abortistas.


La tradición judía, por su parte, no atribuye al feto una vida independiente de la de la madre, siendo ésta la prioritaria. El Talmud permite la interrupción del embarazo en determinados casos (como el de violación o riesgo para la salud de la mujer). En los países islámicos encontramos legislaciones muy dispares a este respecto y, aunque en general se condena el aborto, se hacen excepciones cuando se halla en peligro la vida de la madre. De modo que las religiones tampoco nos aportan una uniformidad de criterios que nos pueda resultar útil para dirimir esta controvertida cuestión.

Muchos animalistas se oponen firmemente al aborto y lo consideran un asesinato en toda regla, negándose a discutir en qué momento de la gestación empiezan nuestras obligaciones morales para con el embrión o con el feto. Ciertamente, resulta complicado determinar a partir de qué grado de desarrollo gestacional podemos atribuir derechos al nonato. Sin embargo, parece obvio que no es lo mismo hablar de un feto de dos semanas que de uno de ocho meses. Así pues, estimo central el debate en torno a qué características del feto son las que le confieren el estatus de paciente moral, algo que va indisolublemente ligado a su grado de desarrollo.

A este respecto considero oportuno, especialmente desde una perspectiva animalista, destacar la posición del filósofo australiano de la moral Peter Singer, autor de obras seminales como "Liberación Animal" y "Ética Práctica", entre otras. Singer hace una distinción terminológica entre "ser humano" (=miembro de la especie homo sapiens) y "persona" (=ser racional y autoconsciente). Esto le lleva a afirmar que "algunos miembros de otras especies son personas; algunos miembros de la nuestra no lo son". En la primera categoría estarían incluidos, por ejemplo, los primates superiores (de ahí nació la idea del Proyecto Gran Simio); los fetos humanos lo estarían en la segunda.

No cabe duda de estamos ante una nueva vida desde el primer momento de la unión entre el óvulo y el espermatozoide, antes incluso de su implantación en el útero y su adherencia a la pared del útero de la mujer. Pero deberíamos desconfiar del criterio que identifica "lo vivo" con "lo bueno" o con aquello que debe ser objeto de consideración moral. Bajo una perspectiva pathocéntrica, es decir, centrada en la realidad del dolor como criterio para determinar con respecto a qué seres tenemos obligaciones morales, estar vivo es condición necesaria pero no suficiente para atribuir derechos a un ser; éste debe ser, además, un ser sintiente, esto es, dotado de sensibilidad (más concretamente: debe tratarse de un ser doliente (1), es decir, capaz de experimentar dolor).

Aunque, con frecuencia, la sociedad perciba, erróneamente, el animalismo y el ecologismo como un único movimiento, en realidad se trata de corrientes distintas dentro de la ética medioambiental (aunque estén profundamente relacionadas y compartan objetivos comunes): ambas posturas analizan las relaciones entre el ser humano y la naturaleza desde el punto de vista de la ética, atendiendo a nuestras responsabilidades morales respecto al entorno natural y al resto de habitantes del planeta. Asimismo, ambas suponen un desafío al antropocentrismo de los modelos axiológicos precedentes, y defienden una ampliación de nuestra esfera de consideración moral que dé cabida a otros seres vivos. Sin embargo, el movimiento ecologista se preocupa por el respeto a los ecosistemas como globalidad (perspectiva holista), mientras que el movimiento animalista (también llamado movimiento de liberación animal) tiene como objetivo la defensa de los intereses de los individuos dotados de sensibilidad (perspectiva individualista).

Así, allí donde el ecologismo se preocupa, por poner un ejemplo, por el tigre siberiano como especie, el animalismo se preocupa por cada uno de los individuos particulares que integran dicha especie, más allá de la supervivencia de ésta como ente abstracto. El motivo es que las especies no sienten ni sufren; quienes lo hacen son los individuos que las forman. Y es contra el sufrimiento contra lo que se alza el animalismo como movimiento y como postura filosófica.

Por eso, resulta crucial determinar en qué momento se forma el sistema nervioso del feto, cuándo éste empieza a ser operativo y en qué grado lo es. Este momento se suele datar entre el cuarto y el quinto mes de gestación. En esta línea, afirma Singer: "Es muy improbable que fetos de menos de 18 semanas sientan nada en absoluto, puesto que en ese momento el sistema nervioso parece no estar lo suficientemente desarrollado para funcionar. En este caso, un aborto practicado antes de este momento pone término a una existencia que no tiene absolutamente ningún valor intrínseco. Entre las 18 semanas y el nacimiento, cuando es posible que el feto sea consciente, pero no autoconsciente, el aborto pone efectivamente término a una vida de cierto valor intrínseco y por ello no se ha de tomar a la ligera."

Sin embargo, y a pesar de la contundencia de las afirmaciones de Singer, conviene señalar que sabemos a ciencia cierta que el feto reacciona a estímulos externos mucho antes de que su sistema nervioso esté plenamente constituido. Conviene traer a colación el célebre caso del Dr. Bernard Nathanson, conocido como “el Rey del aborto”, quien, tras interrumpir más de 60.000 embarazos y luchar por la ampliación de la ley del aborto en los EE.UU, se retractó de su postura inicial (hasta el punto de convertirse en uno de los más fervorosos y activos oponentes a la práctica del aborto), al realizar un experimento con ultrasonidos que permitió grabar la reacción del feto mientras se lleva a cabo la intervención. Nathanson quedó tan sobrecogido por el visionado de las cintas, que decidió no volver a realizar jamás un aborto y dedicar todos sus esfuerzos a la lucha pro-vida, difundiendo el material gráfico que recogió en un documental titulado “El grito silencioso”. La cinta muestra cómo un feto de 12 semanas se defiende con sus manos y sus pies de las pinzas que intentan quitarle la vida.

Más recientemente, los nuevos escáneres de ultrasonidos (4D ultrasound scanning) han arrojado imágenes que revelan cómo un feto de 12 semanas se mueve en el vientre de su madre, bosteza, y hasta sonríe. Se trata, sin duda, de imágenes impactantes que ponen de manifiesto la indefectible naturaleza humana del feto (algo que, por otro lado, no debería ser relevante a la hora de determinar si tiene o no derecho a la vida).

Ahora bien, ¿prueba esto que el feto sea sensible al dolor? Está demostrado, por ejemplo, que las plantas reaccionan a estímulos como la luz (crecen hacia ella) y, sin embargo, su ausencia de sistema nervioso central las incapacita para sentir placer y dolor. Incluso las células reaccionan ante distintas agresiones, y no por ello pensamos que sufran. Podríamos decir que el sufrimiento equivale a ser consciente del dolor; así, cuando aplicamos anestesia general o local, en realidad no anulamos el dolor (que no es sino una señal nerviosa enviada al cerebro para que éste procese e interprete la información) sino la conciencia del mismo, esto es, el sufrimiento.

A la pregunta "¿Cuándo comienza la vida?", Bonnie Steinbock, experta en ética médica, respondió: "Si hablamos de vida en un sentido biológico, los óvulos están vivos, los espermatozoides están vivos. Los tumores cancerígenos están vivos. Para mí, lo que importa es lo siguiente: ¿cuando se inicia el estatus moral de un ser humano? ¿Cuando empieza a tener conciencia de lo que le rodea? ¿Cuando puede sentir dolor?, por ejemplo, ya que ése es uno de los signos más claros de consciencia que puede haber. Y todo eso sucede más o menos cuando el feto resulta viable. Ciertamente, no sucede con un embrión."

Por "viabilidad del feto" se entiende la posibilidad de subsistencia fuera del útero, y ello no es posible hasta el sexto mes de gestación. Por eso, muchos expertos consideran que éste puede ser un buen criterio para determinar hasta cuándo es legítimo realizar un aborto. También se suele considerar que durante el sexto mes se convierten en operativas las funciones cerebrales superiores del feto. Hay quien opina que lo que hace que un feto se pueda considerar persona es su capacidad para pensar, que se produce a partir del momento en que el córtex cerebral está desarrollado (sin embargo, éste tampoco debería ser un punto determinante desde una ética animalista, si reivindicamos una igual consideración moral de los intereses de todo ser sintiente, al margen de la especie a la que pertenezca y de su capacidad intelectual).

Se sabe que, entre las 20 y las 24 semanas de gestación, el feto posee ya todos los requerimientos anatómicos y funcionales para la percepción del dolor. Estamos, por tanto, moralmente obligados a minimizar todo sufrimiento que le podamos ocasionar. Pero, ¿qué hay de su derecho a la vida? ¿Debemos, como animalistas, aplicar al feto los mismos argumentos que empleamos para defender la vida animal, oponiéndonos así a la libertad de elección de la mujer?

Si el criterio para defender los derechos de los animales no humanos es que son seres sintientes, ¿no nos lleva eso a afirmar que el feto, en tanto que ser sintiente, también tiene derechos?
Parece ineludible responder que, en efecto, el argumento de la sensibilidad como razón suficiente y necesaria para ser objeto de consideración moral nos lleva a concluir que el feto, a partir de un determinado grado de desarrollo, tiene interés en no sufrir y, en principio, ese interés debería ser respetado. La existencia de un conflicto moral cuando una mujer decide interrumpir su embarazo, es, así, un hech
o incontestable al que no debemos dar la espalda (no podemos dar carpetazo al asunto diciendo que el feto no debe tiene intereses por el mero hecho de no haber nacido).

Pero la naturaleza de ese conflicto difiere radicalmente del que surge cuando defendemos el derecho a la vida de los animales no-humanos, puesto que el dilema, en el caso del aborto, se plantea entre un titular de derechos primario (la mujer) y otro titular de derechos subordinado que reside en el cuerpo de ésta (el feto). Dirimir este conflicto a favor del segundo (proteger legalmente su derecho a la vida) sólo puede hacerse a costa de violar el derecho de la mujer a la no intromisión en su propio cuerpo. Claramente, el respeto a la vida de los animales no-humanos no presenta este tipo de dificultades, ya que en ningún momento implica la violación de las libertades ni los derechos básicos de los seres humanos.

No le falta razón a Peter Singer cuando afirma que resulta difícil condenar el aborto “en una sociedad que hace una carnicería de formas de vida mucho más evolucionadas por el simple sabor de su carne." (Singer, P., 1988: Ética práctica, Pág.151). Sin embargo, como defensores de los derechos de los animales y de los derechos de las mujeres, como individuos, en definitiva, preocupados por hacer lo correcto sin dañar a nadie, no deberíamos obviar la problematicidad de esta cuestión, ni eludir la reflexión mediante fórmulas morales de manual que prescriban cuál debe ser la postura del “buen animalista” ante un reto ético de semejante magnitud.

Autora: Alicia Martín Melero, alicia@animanaturalis.org


[1] Empleo aquí una traducción libre de la expresión “painient”, introducida por el psicólogo británico Richard D. Ryder, inventor del término “especismo”.

www.animanaturalis.org


PRÓ-VIDA PARA OS NÃO NASCIDOS, PRÓ MORTE PARA OS VIVOS
A CRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO COMO FEMINICIDIO ORGANIZADO NO PATRIARCADO

- A cada 6 minutos morre uma mulher vítima de um aborto clandestino feito em más condições.

- Dos 46 milhões de abortos que se fazem anualmente 20 milhões são abortos ilegais feitos em condições pouco seguras.

- A nível mundial mais de 1/3 das gravidezes não é planeada. Todos os anos quase 1/4 de mulheres grávidas decide fazer um aborto.

- São 80,000 mortes por ano devido a infecções, hemorragias, danos uterinos, e efeitos tóxicos dos métodos utilizados para induzir o aborto.


- No Brasil são realizados anualmente mais de 750 mil abortos em condições inseguras.
- Complicações acarretadas pelo aborto clandestino são a QUARTA CAUSA de mortalidade materna no país.
- Cerca de 250 mil mulheres são internadas a cada ano no Sistema Único de Saúde (SUS) por complicações de aborto e, dessas mulheres, a maioria é negra, jovem e pobre.

- Cerca de 1,2 milhão de brasileiras foram
hospitalizadas nos últimos cinco anos devido a infecções, hemorragias vaginais e outras complicações decorrentes de abortos ilegais, segundo relatório
divulgado na quarta-feira pela Federação Internacional de Planejamento Familiar
(IPPH, na sigla em inglês).

- O aborto é atualmente permitido apenas nos casos de estupro da mãe ou quando há risco de morte para a mulher, levando entretando um extenuante processo burocrático para ser concedido direito.
- Se a mãe sabe que o filho porta uma doença grave e que não viverá mais que 5 anos (em alguns casos, sofrendo), ela não pode abortar.

A MULHER É UM SER SENSCIENTE
O FETO NÃO!
QUEREMOS ESCOLHER...VIVER!

QUEM É CONTRA O ABORTO É CONTRA A MULHER!

A CLANDESTINIDADE DO ABORTO É UMA DAS FACES DA MISOGINIA: A DISCRIMINAÇÃO E ÓDIO À MULHER. OS TEMPOS DE CAÇA ÀS BRUXAS NÃO TERMINARAM!
CRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO FAZ DE NÓS TODAS CRIMINOSAS, QUE CRIME É ESSE? A TRANSGRESSÃO DOS DIREITOS ADQUIRIDOS DOS HOMENS SOBRE NOSSOS CORPOS E VIDAS.
O ABORTO NÃO É UM DIREITO GARANTIDO, NÃO TEMOS DIREITO À NOSSA INTEGRIDADE FÍSICA PLENA, SOMOS SEMI CIDADÃS DO SISTEMA PATRIARCAL, PODEMOS MORRER COMO SE NADA VALESSEMOS, VIVEMOS COMO REFUGOS SOCIAIS.

- 25% da população mundial vive em 54 países (principalmente na África, América Latina e Ásia), com legislações muito restrictivas que proíbem o aborto em qualquer circunstância ou que o permitem apenas para salvar a vida da mulher grávida.
-A proibição do aborto não elimina a prática deste
-Em países onde o aborto é legal, a taxa de mortalidade e criminalidade diminuiu consideravelmente.
-De acordo com a Federação Internacional de Planejamento Familiar, o Brasil é responsável por 1 milhão de interrupções de gravidez de forma insegura a cada ano. O estudo revela que a média brasileira no ano passado foi de 2,07 abortos induzidos por grupo de 100 mulheres. O problema é mais grave na Região
Nordeste, onde a taxa é de 2,73, maior que a média nacional. A Região Sul foi a que apresentou a menor taxa, de 1,28 por 100 mulheres. O relatório aponta o Nordeste como uma das regiões de menor poder econômico, onde as mulheres têm menos acesso aos serviços de saúde e que concentra as maiores taxas de analfabetismo, de 18%.

- Problemas após aborto inseguro custam R$ 33,7 mil
- Os abortos realizados de forma insegura vitimizam milhares de brasileiras e
ainda causam prejuízo ao Sistema Único de Saúde (SUS). É o que revela o
estudo "Morte e Negação: Abortamento Inseguro e Pobreza", divulgado hoje
(30) pela Federação Internacional de Planejamento Familiar (IPPF, na
siga em Inglês), entidade que atua em 150 países. (folha sp)

- abandono de bebês não aumenta numero de adoções (o globo)
- São 2 crianças abandonadas por dia só em São Paulo - Nos três primeiros meses deste ano, 202 crianças tiveram a entrada registrada nos abrigos da Capital (estadão)
- Pesquisa: 16,7% das jovens fazem aborto na 1ª gravidez (folha de são paulo)
- Pesquisa mostra que 40% das mães jovens são abandonadas pelos parceiros em SP (o globo)

- As informações utilizadas foram obtidas do banco de dados sobre mortalidade do Sistema Único de Saúde ¾ Ministério da Saúde. De 1980 a 1995, formam 2 602 óbitos. Além de todos os internamentos obstétricos.Do total de óbitos, 15% foram devidos a aborto retido, aborto espontâneo e aborto induzido com indicação legalmente admitida. Oitenta e cinco por cento dos óbitos foram causados por aborto induzido sem indicação legalmente admitida e por aborto sem causa especificada.

Fonte: Rev Panam Salud-Publica v.7 n.3 ,Mar. 2000 - Mortalidade por causas relacionadas ao aborto no Brasil: declínio e desigualdades espaciais-Bruno Gil de Carvalho Lima

- Não seremos plenas cidadãs se não tivermos plena autonomia sobre nossos corpos!
Não é possível ter pleno controle sobre nosso corpo enquanto estivermos sobre
O jugo de uma sociedade Patriarcal, onde a mulher historicamente serve o homem
e é desfavorecida psicológica, economica e socialmente. Por isso e muitos outros fatores, ainda não controlamos plenamente nossos corpos e vidas!

Quem é mais vivo: mulher ou feto?
- Os conceitos sobre quando começa a vida variam. No primeiro trimestre de vida, o feto não desenvolveu o córtex, que confere ao feto a sensibilidade. Mesmo na Igreja, essa questão é polêmica. Pra São Tomás de Aquino, é só com o córtex que começa a vida. Pro papa não. Pro papa a vida começa com o espermatozóide, pois ele também condena o uso da camisinha - "em nome da vida". Defendo a legalizaçã do aborto durante o primeiro trimestre de gravidez. Essa é a bandeira do movimento feminista.

-O aborto nunca foi defendido como um método contraceptivo, mas sim como um recurso último se caso ocorrer, a mulher não fique desamparada e morra de hemorragia uterina por ter tentado abortar com métodos insalubres e esdrúxulos, em clínicas clandestinas sem fiscalização, morram de infecção hospitalar, ou sobrevivam sem um útero, inferteis, ou com complicações ginecológicas pro resto da vida... !

-Se as mulheres engravidam acidentalmente, deveria se ter compreensão pois em 100% dos casos elas engravidaram por serem vítimas e se verem em uma cilada da sociedade machista e coercitiva sexualmente...

- Não existe essa história de "foi irresponsável"...Sempre tem um motivo, e um dos maiores é a falta de informação sobre o funcionamento dos seus corpos e desconhecimento da própria sexualidade. Afinal, nossos corpos são uma vergonha pra nós, são encobertos de nós até chegarmos na puberdade, muitas vezes despreparadas e PRINCIPALMENTE DESCINCENTIVADAS...porque sexo não é assunto de mocinhas, e seus corpos e desejo são motivos de vergonha pra nós..., chega na hora vai acontecer, e muitas vezes a cabeça dos dois está povoada de fantasias sobre a contracepção, sexualidade, e tudo mais...numa sociedade que ao mesmo tempo superestimula a juventude a isso, e não dá na mesma proporção recursos pra que lidem da melhor forma com isso...

Gravidez por 100 mulheres nos 12 primeiros meses de uso

Método................................. Uso ideal / Uso real

Espermaticidas ............................6,0......26,0
Preservativo feminino..................5,0.....21,0
Métodos comportamentais...........9,0.....20,0
Diafragma+ espermaticida...........6,0.....20,0
Coito interrompido.......................4,0.....19,0
ACO combinados..........................0,1.....8,0
Amenorréia de lactação................0,5.....2,0
Progestogênio oral.......................0,5......1,0
DIU de cobre................................0,6......0,8
Ligadura tubária...........................0,5......0,5
Injetável mensal e trimestral........0,3......0,3
Vasectomia...................................0,1......0,2
Implantes......................................0,1......0,1
SIU liberador de levonorgestrel.....0,1......0,1

Fonte: Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia


Para uma mulher, ser mãe é apenas uma
opção!
O primeiro direito da criança é ser desejado

NÓS MULHERES TEMOS O DIREITO DE VIVER
NÃO SOMOS MÁRTIRES DA MATERNIDADE!


CHEGA DESSE REGIME DE MORTE E ÓDIO!
ESPECISMO=SEXISMO
SER CONTRA O ABORTO É SER A FAVOR DO ABATE DE MILHÕES DE MENINAS PRO VIL PRAZER DAS CONVENÇÕES PATRIARCAIS DA MATERNIDADE!

Estupra, mas não mata

Hoje estive pensando uma coisa.
talvez a diferença crucial entre vegetarianismo e veganismo seja a seguinte...:

se vc não come carne nenhuma, vc não está levando à morte bOis, frangOs, peixes, vitelos machos etc...

porém, sendo ovo-lacto, mesmo que indiretamente, estará deixando em segundo plano as VACAS e as GALINHAS POEDEIRAS, cuja principal exploração é de suas funções corporais REPRODUTIVAS, tal como o leite e os ovulos não fecundados...

nesse sentido, as funções reprodutivas dos animais foram a primeira coisa a ser explorada, antes da idéia de comer sua carne...não teria isso dado brecha pra exploração patriarcal dos recursos reprodutivos femininos, base de toda opressão sobre esta???

é mais difícil ser vegan do que vegetariano...isso porque nossa sociedade está agarrada às tetas escravizadas das funções maternais destes animais e das mulheres...

o leite e os ovos invadiram de tal forma toda nossa alimentação que parecem uma imposição...

com certeza os moradores do pré-brasil (os índios brasileiros) não sabiam o que era uma vaca ou galinha...e nem por isso morreram...mas os livros de história androcêntricos insistem na imagem dos índios caçadores de peixes com suas VARAS-LANÇAS pungentes e precisas...quando a caça sempre foi, no máximo, alimentação complementar e a base mesmo eram alimentos riquíssimos como nhame, mandioca, castanhas, e tantas outras...

pra mim é como se fosse um parasitismo ovolactiano, como que a nos dizer: não, vcs nunca poderão desgarrar das tetas das mulheres, explorar as fêmeas é inevitável e necessário...

Os vegetarianos param de sacrificar os machos animais ofertados ao nosso estômago e pensam que está tudo bem...enquanto as fêmeas são deixadas à própria sorte, procriando ovos escraviz
adas até o fim da sua vida, as cloacas sendo arrebentadas e destruídas pela atividade incessante, a imobilidade osteoporótica, as tetas hipertrofiadas afim de alimentar mais os humanos machos e "suas" fêmeas, sendo que sua existência e ser chega a se ver reduzida a isso: agora és TETAS, do tamanho de ti (to falando sério...), de forma a não se locomover e apenas produzir e me servir. Teus filhos serão mortos para que não amamente a eles, e sim a mim...teu macho único. Morrerá emfim em meses, completamente plena de hormonios que otimizem ao extremo a sua "feminilidade" reprodutiva e amamentadora. Minha civilização precisa de teus grandes PEITOS para poder sobreviver.

terça-feira, janeiro 09, 2007

Industria da Carne, Indústria do Sexo:o consumo vergonhoso e canibal, mulheres como objetos, mulheres como carne [in]humana, consumo de mulheres



“¿Por qué, entonces, solo una pequeña parte de la izquierda defiende la causa del vegetarianismo? Porque los hábitos ligados a nuestras pulsiones más básicas ( y el hambre es la primera) se consideran “naturales”, y son, por tanto , difícilmente asequibles a la reflexión, al asalto dialéctico de la razón. Y así, el arquetipo del macho armado, ora cazador, ora guerrero, sigue presidiendo nuestra salvaje cultura patriarcal, nuestra despiadada sociedad competitiva, depredadora, carnívora”

Me parecía una reflexión muy, pero que muy pertinente, y muy valiente, que invita a abandonar lo que tenemos por “natural” y someterlo a un juicio crítico. Como hemos expuesto anteriormente en la trascripción del Informe de las Naciones Unidas la prostitución es un hábito cultural considerado natural por la mayoría de los hombres, y si existe una sola posibilidad de que la izquierda varonil, patriarcal y carnívora, se cuestione una práctica tan ancestral como el consumo de carne animal, ni que decir tiene la de posibilidades que habrá para que se plantee de una vez y para siempre la compra de cuerpos de mujeres y niñas para su uso sexual.

Es decir, si por fin acogemos el espíritu crítico frente a lo culturalmente dado, qué duda cabe que lo primero en cuestionarnos debe ser la rentabilísima “industria de la carne”,

Como se denomina sin eufemismos a la “industria del sexo” en los círculos feministas radicales, esos círculos de los que tanto, por lo visto, les gusta presumir, como asiduos, a los metamachistas feministas. Y esto por no hablar de las secuelas dañinas de la protitución, tantas veces enumeradas, tanto para el que la consume, que termina por no distinguir entre lo que le pertenece y lo que no le pertenece, entre lo que es real y lo que no es real, entre los derechos y los abusos...


Así pues no es difícil hacer la conversión en lo que nos ocupa, y agradecer al autor del artículo su indirecta colaboración: “¿ por qué entonces todavía hay parte de la izquierda que se resiste a la causa “abolicionista”, a “no comprar carne humana para su uso sexual”? Porque los hábitos ligados a nuestras pulsiones más básicas (“ y el sexo es una de ellas”) se consideran “naturales”, y son, por tanto , difícilmente asequibles a la reflexión, al asalto dialéctico de la razón. Y así, el arquetipo del macho armado, ora cazador, ora guerrero, sigue presidiendo nuestra salvaje cultura patriarcal, nuestra despiadada sociedad competitiva, depredadora, carnívora y ”prostituidoral”.

Ahora bien, nuestra militancia no nos deja más remedio que añadir algo, aún a riesgo de desengañar una vez más a los metamachistas feministas naturalmente de izquierdas, pues éstos insisten en afirmar que hay una única/doble militancia; defienden que el feminismo y el socialismo vienen a ser la misma cosa. Hemos de aclarar que, sintiéndolo por sus ensoñaciones paternales, el feminismo es históricamente anterior al socialismo, y esto lo afirmamos sin ninguna intención de disminuir la importancia histórica de éste; con el ánimo solamente de recordar que antes de que hubiera un sistema capitalista instalado en todo lo que conocemos y nos rodea como sistema socioeconómico, hubo y hay, un sistema socioeconómico tan antiguo como el neolítico, y éste no es otro que el sistema patriarcal existente en la tierra desde que los varones se intercambian mujeres entre sí- independientemente de que los varones coman mamuts o “tofu”- y es desde entonces, desde que el sistema prostitucional se configura como relación socioeconómica...; sí, una cultura enteramente patriarcal y prostituidora, en todas sus versiones posibles – la más moderna es esta prostitución industrializada que obliga, con todas sus letras, a viajar a las mujeres a la velocidad de la luz allí donde haya una demanda patriarcal.

Y es desde entonces, desde siempre, que las mujeres luchamos por nuestra libertad, y es desde entonces, desde siempre que el feminismo es la lucha por la libertad.

Metamachismo feminista - Contradicción in términis, por Alicia Martínez @ Red Feminista

Comentário da minha amiga Lavínia é extremamente didático e genial:

"A coisificação

O processo de automatização para o consumo a que somos submetidos transforma os seres em 'coisas'. Procura-se uma forma de abstrair a 'pessoa' (humana ou não-humana), apresentando-a com nova classificação. Se dá em relação às mulheres da categoria 'pra vadiar', que são reduzidas a peitos e bundas, e assim tbm em relação aos animais, apresentados com 'cortes' específicos, dissociados do aspecto do 'todo', em bandejinhas cada vez mais assépticas.

(...)

O ponto de convergência parece ser que, tanto na escolha da carne de açougue, como na escolha da prostituta, em ambos os casos foram suprimidas as ligações que explicitam que aqueles 'produtos' são pessoas. O bicho é um ser com vida própria, a prostituta é filha de alguém, mãe de alguém..., pessoas, enfim!"

Paul Singer e o aborto e a eutanásia

vou postar a resposta de uma garota num mailing list de vegetarianismo, quando um cara apontou a contradição de Paul Singer: defensor do aborto e da eutanásia, por que?


>Olá "----", legal tua defesa em relação à eutanásia, porém acho
que está errado em relação à idéia de Singer sobre o aborto, ele não se contradiz quando defende o aborto uma vez que o que ele quer é o bem-estar e não necessariamente a vida, ele está contra o sofrimento acima de qualquer coisa, e isso é básico em todo o seu pensamento.

Essa questão do aborto gera muita polêmica, mas na maioria das vezes está relacionada a perspectivas dogmáticas/religiosas e tal, e contra a fé, não temos argumentos.

Mas o aborto muitas vezes serve como um meio para que se possa evitar o sofrimento intenso, como por exemplo de fetos que possuem algum tipo de complicação séria e irreparável que o dará péssimas condições de vida, como também pode evitar um tipo de sofrimento muito sério e não menos intenso como é o daqueles indivíduos que foram rejeitados durante a gravidez e que por uma questão política tiveram que nascer e ter um tipo de vida terrível, sendo privado de afeto, atenção, cuidado, de satisfazer suas necessidades mais básicas possíveis, etc.

A idéia de que com o tempo as mães acabam gostando do filho é muito bonita, porém também é fantasiosa porque na realidade nem sempre vemos isso. Aí quando vimos um número crescente de crianças que estão sendo largadas em abrigos, bebês que são abandonados pouco tempo depois do parto, outras crianças que são exploradas/escravizadas, ou aquelas que a "única" coisa que não possuem é "amor" e acabam se tornando um adulto problemático etc



...ficamos todos comovidos, mas se o aborto fosse permitido muitos desses problemas poderiam ser evitados.

Pensando que, no caso do primata humano, se o aborto for feito até na vigésima semana de gestação o "aglomerado de células" não sentirá nada porque seu sistema nervoso não está formado ainda, logo ele não pensa,não tem consciência, não tem emoções, etc porque teria ele a
obrigação de viver? E mesmo depois desse tempo o aborto poderia estar evitando sofrimento já que hoje temos formas abortivas que não infligem dor.

Acho que dar o "direito à vida" a todo e qualquer feto não é um gesto "bondoso" uma vez que ao defender isso estamos muitas vezes condenando um ser a uma vida totalmente infeliz e eu prefiro a não existência que uma existência tortuosa, um exemplo imaginário: antes a extinção das vacas que a vida que elas possuem hoje dentro da indústria da carne.

E ainda, a questão não seria trocar o aborto por métodos anticoncepcionais, o ideal seria que paralelo à legalização do aborto, fosse feito grandes projetos de conscientização/educação etc.

Na verdade essa questão vai muito além do que estou dizendo, mas a idéia é apenas dizer que Singer não se contradiz.

abraços, "-------".


fonte: http://br.groups.yahoo.com/group/svb-curitiba/message/512

Analogizando os direitivismos sobre as Vidas

Acho que essa repulsa à extensão da igualdade aos animais é parecida com a repulsa que até hoje tem-se, por exemplo, quando se fala em igualdade para os gêneros.
Falavam que as mulheres feministas renegavam feminilidade, deviam é ser mulher, estavam querendo ser homens...mas ora o que era ser homem? Era ser livre, poder pensar, ter autonomia, participar, ter cidadania, direito sobre seu corpo, sexualidade....uma mulher com essas coisas era considerada uma mulher masculinizada. Até hoje persiste isso de
forma sublimada.

A igualdade aos animais parece até palhaçada quando falo isso, as pessoas ficam assustadas, acham fanatismo...me acham uma excêntrica, enfim. Mas é parecido com o que as mulheres passaram. Hoje se condena e se pensa: como pudemos ter feito isso no passado? Uma
novela como Sinha Moça serve pra endossar esse pensamento de que hoje somos mais
civilizados que antigamente, a midia cria um ilusionismo através do contraste exagerado: olhem que cruel! Mas as pessoas se tornam incapazes de perceber as sutilezas das opressões do tempo presente.

Será que no futuro vai haver uma novela que mostre o sofrimento e a luta pela liberdade dos bichos? Será que as escolas vão um dia ensinar às crianças a respeitarem todas criaturas? Que mundo teríamos hein? A verdade é que a gente só pensa na gente, no nosso grande e feio umbigo humano.

Um cara escreveu algo assim pra mim uma vez: por que Peter Singer defende aborto e eutanasia e é contra o abate dos animais?

Eis o problema. Aborto é algo mal, mas pensado por uma mente androcêntrica. Que tal perguntar às mulheres se queremos o aborto? Por que não perguntar ao animal se ele quer ser alimento? O egocentrismo permeia tudo.

Pensa-se logo na criança (ou feto...)...nunca na mulher. A criança sempre foi propriedade dos homens, assim como o corpo da mulher o foi, hoje o corpo da mulher é propriedade de um estado, é decidido por um parlamento, com uma bancada evangélica forte (bando de escrotos mentirosos, bandidos), e é também decidido pela opinião do vaticano, local onde as mulheres são "inexistentes" e "inaptas" ao exercício dos cargos religiosos justamente pra não formarem uma
opinião feminina que contradiga os dogmas dessa igreja patriarcal.


Nunca se pergunta se o negro quer as cotas ou não. Nunca se pergunta se as mulheres querem isso ou aquilo. Aliás numa sociedade em que as mulheres não são educadas para serem elas mesmas, com sua opinião, sua decisão, e autoconfiantes, quem pensa por ela é toda uma
tradição e mesmo elas dizem que são contra o aborto, até vivenciarem o quanto isso é mais complexo do que se imagina (e nunca imaginariam os homens centrados demais no seu umbigo, e com horror de se pôr na pele desprezível de uma mulher como fazem os "bichas" e "travecos"
que tanto despreza).

Não se engravida por irresponsabilidade. Se engravida por não ter informação, por não ter conhecimento do próprio corpo(numa sociedade em que o corpo da mulher pode até ser hiperexposto para o bem dos homens, mas é ocultado e proibido para elas próprias), por hesitar
em assumir uma postura de curiosidade e condução da sua vida sexual (quando as mulheres tem que ter vergonha de gostar de fazer sexo, afinal me digam que orgulho pode ter uma mulher de dizer: gosto de dar? Não ficariam mais à vontade elas se pudessem dizer: gosto de
comer?), por não serem estimuladas, por não terem acesso a ginecologista e plano de saude, conduzindo os anticoncepcionais de forma errada, por ter a cabeça cheia de mitos, porque os caras não tão nem aí pra desfazer esses mitos já que a consequência não é pra
ele (privilegiados que são por aqui), porque as mulheres não são criadas pra serem autoconfiantes o suficiente pra decidir como e o que elas querem quanto a sexualidade, ou por acidente! Ginecologista indicou errado, o farmacêutico orientou errado, a pessoa se enganou
quanto à administração, acidentes gastrointestinais, uma massagem no gluteo onde foi dada a injeção...várias coisas! As mulheres não podem errar? Errar é humano, errar é feminino também ou não?

Mas nãão!, o mais importante é a mulher ser penalizada pelo seu mal de ser mulher, de ter pecado, de ter pisado na bola, porque a culpa é toda dela!!!

E a guria pobre, sem condições de criar um filho, engravidou por motivos diversos, vai levar adiante a gravidez por respeito à moralidade?

A garota vai decidir por um aborto, vai abordar clandestinamente porque o aborto é ilegal (a ilegalidade o torna, então, extremamente insalubre) e como é caríssimo também, acaba abortando na vizinha e em seguida morre por complicações ginecológicas. O aborto é uma das maiores causas de mortalidade feminina (junto com violência doméstica e assassinato passional, ou melhor, possessivo...)...a vida da mulher é tão desprezível assim? Mais do que de um aglomerado de células?

E o direito à vida das mulheres, como fica?

Pra quem sobrevive fica as condenações como esterelidade e culpa. Aquelas que abortam já passaram por experiência desamparadora, ainda por cima tem que sofrer pela culpa e imcompreensão? Pela condenação de toda sociedade? Pela condenação de si mesma?


Direito à vida significa direito de autogestão da própria vida pra mim. O que o ser humano faz de mal às outras espécies é principalmente sua intervenção nociva. Se o leão come os filhotes da
leoa pra poder cruzar com ela e ter a "sua" ninhada com ela, cabe a nós julgar, qualificar, condenar? Acho que não cabe a ninguém também querer ser diretivista com a vida dos outros, causando-lhe o mal. Nem com a vida das outras pessoas humanas, nem com a vida das pessoas não-humanas.

Conexão entre violência contra animais e contra mulheres




CONEXÃO ENTRE VIOLÊNCIA CONTRA ANIMAIS E VIOLÊNCIA CONTRA PESSOAS. A DOMINAÇÃO DE ANIMAIS E MULHERES PELO HOMEM COMO SE FOSSEM COISAS APROPRIÁVEIS, ASSIM COMO O EMPREGO DE VIOLÊNCIA SISTEMÁTICA CONTRA ANIMAIS E CONTRA MULHERES SOB A ÓTICA DA DOMINAÇÃO TÊM A MESMA BASE RELIGIOSA.



- Albert de Salvo (O Estrangulador de Boston): Assassinou 13 mulheres. Prendia cães e gatos em jaulas para depois atirar flechas neles.

- David R. Davis: Assassinou a esposa para receber o seguro. Matou poneys, jogava garrafas em gatinhos, caçava...

- Edward Kemperer: Matou os avós, a mãe e sete mulheres. Cortou dois gatos em pedacinhos.

- Henry L. Lucas: Matou a mãe, a companheira... Matava animais e fazia sexo com os cadáveres.

- Jack Bassenti: Estuprou e matou três mulheres. Quando sua cadela deu cria enterrou os filhotes vivos.

- Johnny Rieken: Assassino de Christina Nytsch e Ulrike Everts. Matava cães, gatos e outros animais...

- Luke Woodham: Aos 16 anos esfaqueou a mãe e matou duas adolescentes. Incendiou seu próprio cachorro despejando um líquido inflamável na garganta e pondo fogo por fora e por dentro ao mesmo tempo.

- Peter Kurten (O Monstro de Düsseldorf): Matou ou tentou matar mais de 50 homens, mulheres e crianças. Torturava cães e fazia sexo com eles, enquanto os matava.

- Randy Roth: Matou duas esposas e tentou matar a terceira. Passou um esmeril elétrico em um sapo e amarrou um gato ao motor de um carro.

- Richard A. Davis: Assassinou uma criança de doze anos. Incendiava gatos.

- Rolf Diesterweg: O assassino de Kim Kerkowe e Sylke Meyer. Na juventude matava lebres, gatos e outros animais.

- Theodore R. Bundy: Matou 33 mulheres. Presenciava o avô sendo cruel com os animais.




Felinos são geralmente vistos como furtivos ou indiferentes... Pessoas que torturam animais vitimizam gatos muito mais freqüentemente do que cães. E porque há uma associação entre felinos e mulheres, homens que são violentos contra mulheres geralmente abusam de gatos também.

-> Estudos Relacionam Violência a Agressões Contra Animais
http://www.pea.org.br/curiosidades/textos/estudo_01.htm






Violência contra animais e a Violência Doméstica: Qual a ligação?

Qual a relação entre maus tratos e crueldades para com os animais e a violência doméstica? Existe um elo entre eles?

Não é de hoje que pesquisas comprovam a ligação entre a violência doméstica e a violência com os animais de estimação, esta ultima servindo como sinal de alerta para a possível existência da violência com seres humanos mais fragilizados no contexto familiar como no caso de crianças, idosos e até mesmo mulheres. Mas também a crueldade contra os animais está presente como uma característica comum nos registros de estupradores e assassinos em série. O abuso contra animais aparece de forma clara nas histórias de pessoas com comportamento violento (FBI, 1998; Alan Brantley, 1996).

A violência doméstica muitas vezes começa com o abuso ou maus tratos de animais. Dessa forma, cientistas sociais e órgãos de execução penal norte americanos passaram a encarar a crueldade contra animais como um grave problema humano, diretamente relacionado à violência doméstica, abusos contra crianças, idosos e outros crimes violentos, se tornando um meio eficaz de romper o ciclo da violência doméstica de uma geração para a outra (Associação Internacional dos Chefes de Polícia, 2000).

Na Filadélfia, Estados Unidos, uma criança de 4 anos é espancada até a morte em janeiro de 1999. Mas as autoridades de controle de cães e gatos já haviam estado no local meses antes, devido denuncia feita por vizinhos de crueldade com o cão da família. Esse caso, entre centenas de outros, é um exemplo de como os serviços de controle de zoonoses e de controle de populações de cães e gatos e os profissionais médicos veterinários podem auxiliar os órgãos competentes a diagnosticar a violência doméstica (Phil Arkow, 2004).




Em pesquisa realizada por DeViney, Dickert & Lockwood, 1983, abusos contra animais aconteceram em 88% das famílias onde ocorreram casos de abusos físicos contra crianças. Segundo Groves, 2004, 45% a 60% dos lares com violência doméstica apresentam maior risco de abuso contra crianças.

Tanto as crianças como os animais são vítimas silenciosas da violência doméstica, muitas vezes vítimas invisíveis. Como o abuso contra o animal é um indicador de um lar caótico onde a segurança das crianças está em risco, tal abuso deve ser percebido e documentado, da mesma forma que um problema de bem-estar humano, e ser redefinido, também, como violência doméstica. Por sua vez, a comunidade deve ser treinada para reconhecer e denunciar todas as formas dessa violência.

Por fim, a crueldade contra os animais não deve ser ignorada, mas encarada como a manifestação da agressividade latente, pois pode mostrar sinais de um comportamento futuro violento contra humanos.

“Quando animais sofrem abusos, as pessoas estão em perigo. Quando as pessoas sobrem abusos, os animais estão em perigo”.
Associação Internacional dos Chefes de Polícia, 2000.

..................................................................

(Texto escrito com as informações passadas durante a apresentação de Phil Arkow durante o Simpósio de Policiais em 2004 em São Paulo.)

• Alan Brantley, Agente Especial do FBI, Unidade de Ciências do Comportamento, 1996
• Arnold Arluke & Carter Luke, Northeastern University & Massachusetts SPCA, 1997
• “Animals Relations in Childhood and Later Violent Behaviour Against Humans”
• K-G Schiff & D.A. Louw, Dept. of Psychology, University of the Orange Free State & Frank R. Ascione, Psychology Dept., Utah State University
• Betsy McAlister Groves, Child Witness to Violence Project, Boston MA , 2004




Pra mim é bem óbvio...a inclusão de carne em nossa dieta significa a brutalização humana de alguém, que teve que fazer o serviço por nós, nessa lógica de divisão social do trabalho que aliena os sujeitos de toda etapa da produção.

Acontece emfim que chega a nossa mesa o "produto", em um aspecto "asseptico" como bem colocou minha amiga Lavínia, e a consciência de todas etapas de produção que trouxeram "aquilo" à nossa mesa é algo cuidadosamente mantido à distância de nós mesmos.

Mas alguém teve que degradar sua sensibilidade humana.

Só é possível comer carne graças a essa higienização ideológica da matança pseudo-carnívora. Mas isso não nos mantém menos culpados não... Isso não apaga a contradição de quem se diz humanista, mas come carne. Comendo carne, perde os argumentos. Comendo carne, já denuncia que é um hipócrita. Comendo carne, se rebaixa, se admite falível. Marxistas pregam a revolução comendo carne com você num restaurante universitário, vêem as mulheres ou os animais como secundários, os animais são um capital para favorecer o proletariado humano. As mulheres, massa de manobra cujas conquistas serão o que vir de lucro da revolução que ajudarão, enganadas, a construir. Estão lá as sementes da falência de seu sistema proposto, pois não estão revolucionando a seus conceitos de fato. Os germes da opressão estão ali, e tomarão facilmente o lugar do antigo carrasco.

Não estamos matando os animais, mas isso não nos brutaliza menos. Aliás, pra quem executa esse serviço há a possibilidade do salto crítico proporcionado pela explicidade da contradição. Já conheci pessoas que trabalharam em lugares em que presenciavam essas cenas e tb com quem efetivamente trabalhou (pessoas do povo, obviamente).

Vou até contar do jardineiro que trabalha no meu bairro, trabalhou por três dias em um abatedouro. PEDIU A CONTA. Mesmo precisando muito, tendo família grande e poucos recursos. Disse que não aguentava, preferia ficar sem o emprego.




Às pessoas menos privilegiadas são reservados trabalhos que brutalizam sua humanidade, mas a resistência aí se mostra. Não importa quão distante está a consciencia do burguês com o prato sanguinário em sua mesa, ele não escapa. Está se brutalizando. Está sendo vitimado pela ignorância. Está legitimando a contínua insensibilização de nossos tempos.

Por isso eu iria mais longe: a violência de toda sociedade está conectada com esses "pequenos" gestos. Expusemos aqui os graus mais insanos, mas que isso sirva de espelho. Em menor grau há um assassino, há um pervertido dentro de nós. E em nossa vida diária seguimos com as atitudes que matam coisas significativas da existência humana.

Por isso a violência contra a mulher está conectada com a violência aos animais. Se ainda se come carne, nada mais conveniente...come-se carne, legitima-se a insensibilidade e covardia: é de nossa natureza. Também é de nossa natureza sermos cruéis com o próximo. Então, é fatal que seres humanos, mulheres, negros, gay, nada mais lógico, que paguem pela vida na barbárie "humana" também.

Rumo à Ecologia profunda



"O solo comum das várias escolas de ecologia social é o reconhecimento de que a natureza fundamentalmente antiecológica de muitas de nossas estruturas sócio-econômicas está arraigada no que Riane Eisler chamou de "sistema do dominador" de organização social. O patriarcado, o imperialismo, o capitalismo e o racismo são exemplos de dominação exploradora e antiecológica. O ecofeminismo poderia ser encarado como uma escola especial de ecologia social, uma vez que também aborda a dinâmica de dominação social dentro do contexto do patriarcado. Entretanto, sua análise cultural das muitas facetas do patriarcado e das ligações entre feminismo e ecologia vai muito além do arcabouço da ecologia social. @s ecofeministas vêem a dominação patriarcal de mulheres por homens como o protótipo de todas as formas de dominação e exploração: hierárquica, militarista, capitalista e industrialista. Eles mostram que a exploração da natureza, em particular, tem marchado de mãos dadas com a das mulheres, que têm sido identificadas com a natureza através dos séculos. Essa antiga associação entre mulheres e natureza liga a história das mulheres com a história do meio ambiente, e é a fonte de um parentesco natural entre feminismo e ecologia. Conseqüentemente, os ecofeministas vêem o conhecimento vivencial feminino como uma das fontes principais de uma visão ecológica da realidade."

Fritjof Capra, em Rumo à Ecologia profunda
http://hps.infolink.com.br/peco/nage_02.htm

Vegetarianismo: afirmação da liberdade,resistência


Acho que se antes de virar vegetariana eu comia carne, mesmo com conciencia do que estava por trás, era por pura autodestrutividade, falta de autoconfiança, descrença na liberdade. E acho que com todos deve ser assim...comem num gesto de desleixo com o amor próprio...

A alimentação é um ritual muito mportante e carrega elementos psicológicos e idelógicos que, na ingestão (introjeção), são de alguma forma internalizados. Vejo então, como a principal forma de ataque desse sistema, nos ataca por dentro, e ainda por intermédio de nós mesmos, restringindo nossas opções e nos alienando das possibilidades alimentares (que são tantas...!), fazendo-nos esquecer nossa cultura e valores, nossa identidade.

Se não temos amor próprio, se o imperialismo destrói nossa dignidade, por que nos mobilizariamos pra lutar por um mundo melhor pra nós e pros outros? Acho q começa por aí. Se dizemos que não conseguiríamos ser vegetarianos, q somos escravos dessa alimentação tosca, é porque nos damos por fracassados e falhos, e falamos "o ser humano eh assim, nao tem jeito, essa é uma revolução pra depois! -

...meu, a revolução é agora! não dá pra esperar a insurgência popular que tomará o estado pra depois pensarmos em eliminar o que aprendemos com esse sistema de violência. Ali estarão as sementes do retrocesso!

Por isso pra mim ser vegan e ter uma alimentação legal significa muita coisa. significa afirmar minha liberdade e resistência. significa ser do contrão mesmo, olhar pras prateleiras do supermercado e falar: não! vocês não mandam em mim! eu como o que eu quero, posso decidir sobre mim e meu corpo, e vocês não vão se intrometer nele!

veggie grrrl: Comer não é só encher a barriga...aliás a alimentação das pessoas é bem ilusória...alimentos não organicos tem 5x menos nutrientes, apesar de que falam que são mais "baratos"(o barato sai caro..e depois, é caro no supermercado, na feira não é, é direto do produtor, supermercado é uma coisa que eu quero boicotar total, não aguento mais entrar em um), e carne, pão convencional, etc, dá um estufamento que você pensa que tá alimentado, mas nem tá.

Depois, temos fome de mais coisa que pasto e água...o ser humano precisa de mais...
Todos rituais religiosos, todas celebrações, datas importantes, são festejadas com alimentação. Isso mostra o componente psicológico e ideológico inerente a alimentação.
Alimentação é o que nos torna mais ou menos humanos também.
E se você tem essa alimentação brutalizada, algo mais brutalizou em você. O excesso de açúcar e sal também diz pra mim da incapacidade contínua que o sistema faz da nossa sensibilidade pras sutilezas. Assim como tomam um chá delicioso de jasmim sem açúcar e falam: "que gosto de água quente! não tem gosto de nada!", você aponta pras superestruturas ideológicas do sistema e a pessoa não vê onde tá o problema, pois a opressão está cada vez mais mascarada, dissimulada e difícil de ver e atacar. Assim vão massificando nossas vidas, espírito, delicadeza.