domingo, novembro 18, 2007

ECOFEMINISMO


Ele diz que mulheres falam com a natureza. Que ela ouve as vozes do fundo da terra. Que o vento sopra em seus ouvidas e as árvores cochicham com ela.(…)

Susan Griffin[1978]



Um dos movimentos radicais ecologistas é o Ecofeminismo. A ele liga-se também uma corrente literária. O termo foi usado pela primeira vez por Françoise d'Eauboune(1). Desde a década de setenta que o movimento feminista defende a ideia de que o ambiente é feminino, deste modo o combate ecológico está ligado à libertação da mulher(2). De acordo com Karen J. Warren "feminismo ecológico é o nome prático dado à variedade de posições que tem raízes em diferentes práticas feministas e filosofias"(3). Por outro lado para Carolyn Merchant, uma historiadora deste movimento, "mulheres e natureza tem uma antiga associação - uma afiliação que tem persistido pela cultura, linguagem e história".(4)

Tenha-se em atenção que foi Rachel Carson [1907-1964], com o seu livro "Silent Spring" (1962) que fez despertar a consciência dos cientistas, políticos e historiadores para o movimento ecológico(5). Esta aproximação ao Ecofeminismo deu-se em 1987 com a conferência "Ecofeminist perspectives", preparada para celebrar os 25 anos de publicação do livro de Rachel Carson. Todavia a primeira conferência a fazer apelo a esta aproximação da mulher aos problemas do ambiente teve lugar em 1974 na Universidade da Califórnia, a que se seguiram outras na década imediata(6). Os dois textos mais marcantes que historiam este movimento são os de Susan Griffin, Women and Nature (1978) e Carolyn Merchant, the Death of Nature (1980)

É de salientar aqui o papel assumido pelas mulheres no passado na defesa e valorização do meio ambiente. O facto mais evidente disto está na obra de Rachel Carson(7), a que poderá juntar-se a iniciativa de outras mulheres desde o século XVIII, como o prova o estudo de Marcia Myers Bonta Women in the Field (1991)(8).


REFERENCIAS:

Agricultural and environmental policies and their impact on advancement of professional women and on rural women's effort in attaining sustainable food security in East Africa : a summary / by the Kenya National Action Committee (NAC) of the East African Women Leaders in Agriculture and Environment (AWLAE) Program. [Nairobi, Kenya?] : NAC, [1994]

AOKI, Yayoi, 1927- Kyosei Jidai no Feminizumu: Hirakareta Mirai o Motomete / Aoki Yayoi. Tokyo : Orijin Shuppan Senta, 1994.

BIEHL, Janet, 1953- Finding our Way: Rethinking Ecofeminist Politics / Janet Biehl. Montreal ; New York : Black Rose Books, c1991.

BIGWOOD, Carol, 1957- Earth Muse: Feminism, Nature, and Art / Carol Bigwood. Philadelphia : Temple University Press, 1993.

BIRKE, Lynda I. A. Feminism,Animals, and Science: the Naming of the Shrew / Lynda Birke. Buckingham [England] ; Philadelphia : Open University Press, 1994.

BONTA, Marcia Myers, Women in the Field. Americas Pioneering Women Naturalists, Texas, 1991.

BRANDT, Barbara.Whole Life Economics: Revaluing Daily Life /Barbara Brandt.Philadelphia, PA: New Society Publishers, c1995.

BROOKS, Paul , The House of Life : Rachel Carson at work, with selections from her writings published and unpublished / by Paul Brooks London : Allen and Unwin, 1973

Speaking for Nature: how Literary Naturalists from Henry Thoreau to Rachel Carson Have Shaped America / Paul Brooks; with drawings by the author, Boston: Houghton Mifflin Co., 1980

BUDAPEST, Zsuzsanna Emese, 1940- The Goddess in the Office: a Personal Energy Guide for the Spiritual Warrior at Work / Zsuzanna E. Budapest. [San Francisco, Calif.] : HarperSanFrancisco, c1993.

CALDECOTT, Leonie e Stephanie Leland, eds. Reclaim the Earth: Women Speak Out for Life on Earth. London: Women's Press, 1983.

Caputi, Jane. Gossips, Gorgons & Crones: the Fates of the Earth / by Jane Caputi ; foreword by Paula Gunn Allen. Santa Fe, N.M. : Bear & Co. Pub., c1993.

CARSON, Rachel, 1907-1964 , Silent Spring, London Peguin Group, 1991[1ª edição em 1962]

Always, Rachel : the letters of Rachel Carson and Dorothy Freeman, 1952-1964 / edited by Martha Freeman, Boston : Beacon Press, c1995

Under the Sea-Wind, a Naturalist's Picture of Ocean Life, by Rachel L. Carson. Illustrated by Howard French. New York, Simon and Schuster, 1941.

The Sense of Wonder [by] Rachel Carson. Photos. by Charles Pratt and others., New York, Harper & Row [1965, c1956]

Of Man and the Stream of Time, Claremont, Calif., Scripps College, 1962.

The Edge of the Sea. With illus. by Bob Hines,Boston, Houghton Mifflin, 1955.

Of Man and the Stream of Time,Claremont, Calif., Scripps College, 1962.

CHENEY, Jim. "Ecofeminism and Deep Ecology." Environmental Ethics 9 (no.2: Summer 1987): 115-45.

Clark, J. Michael (John Michael), 1953- An Unbroken Circle: Ecotheology, Theodicy, & Ethics / by J. Michael Clark ; with a prefatorial essay by Arthur Frederick Ide. Las Colinas, Tex.: Monument Press, 1996.

Defying the Darkness: Gay Theology in the Shadows / J. Michael Clark. Cleveland, Ohio : Pilgrim Press, 1997.

Con-spirando: Revista Latinoamericana de Ecofeminismo, Espiritualidad y Teologia. Santiago, Chile : Colectivo Con-spirando, 1992-

COOPER, Susan, Made from this Earth - American Women and Nature, Chapel Hill, 1993

Cuomo, Chris J.Feminism and Ecological Communities: an Ethic of Flourishing / Chris J. Cuomo.London ; New York : Routledge, 1998.

Daly, Mary, 1928-, Quintessence--Realizing the Archaic Future: a Radical Elemental Feminist Manifesto / Mary Daly. Boston : Beacon Press, 1998.

DIAMOND, Irene e Gloria Orenstien (eds) Reweaving the World. The Emergence of Ecofeminism, S. Francisco, 1990. Em especial textos de Charlene Spretnak (3-15) e C. Merchant (100-106)

Diamond, Irene, 1947- Fertile Ground: Women, Earth, and the Limits of Control / Irene Diamond. Boston : Beacon Press, c1994.

DIETRICH, Gabriele. Reflections on the Women's Movement in India: Religion, Ecology, Development / Gabriele Dietrich. New Delhi: Horizon India Books, 1992.

DUNBAR, Dirk, 1954- The Balance of Nature's Polarities in new Paradigm Theory / Dirk Dunbar. New York : P. Lang, c1994.

Ecofeminism: Women, Animals, Nature / edited by Greta Gaard, Philadelphia : Temple University Press, 1993.

Ecofeminism: Women, Culture, Nature / edited by Karen J. Warren ; with editorial assistance from Nisvan Erkal, Bloomington : Indiana University Press, c1997.

Ecofeminism and the Sacred / edited by Carol J. Adams. New York : Continuum, 1993.

Ecofeminism Now! / Medusa Productions presents.1996.

Ecofeminist Literary Criticism: Theory, Interpretation, Pedagogy / edited by Greta Gaard and Patrick D. Murphy. Urbana : University of Illinois Press, c1998.

Ecologia, Feminismo, Desenvolvimento/ Maria Inácia d'Avila, Naumi de Vasconcelos, organizadoras. [Rio de Janeiro, Brazil] : EICOS-UFRJ, 1993.

Ecotheology: Voices from South and North /edited by David G. Hallman. Geneva, Switzerland : WCC Publications ; Maryknoll, N.Y. : Orbis Books, 1994.

Environmental Education for the 21st Century:Iinternational and Interdisciplinary Perspectives / Patricia J. Thompson, editor ; with an introduction by Ricardo Fernández. New York : Peter Lang, c1997.

Environmental Philosophy:From Animal Rights to Radical Ecology/ general editor, Michael E. Zimmerman ; associate editors, J. Baird Callicott ... [et al.]. Englewood Cliffs, N.J. : Prentice-Hall, c1993.

Reweaving the World: the Emergence of Ecofeminism / edited and with essays by Irene Diamond and Gloria Feman Orenstein. San Francisco: Sierra Club Books, c1990.

Feminist Political Ecology: Global Issues and Local Experience / edited by Dianne Rocheleau, Barbara Thomas-Slayter, and Esther Wangari. London ; New York : Routledge, 1996.

Feminists for Animal Rights : [newsletter].New York, NY : Feminists for Animal Rights,

FERRY, Luc. Nouvel Ordre Écologique. English The new Ecological Order / Luc Ferry ; translated Carol Volk. Chicago : University of Chicago Press, c1995.

GAARD, Greta, ed. Ecofeminism: Women, Animals, Nature. Philadelphia:Temple UP, 1993.

Ecological Politics: Ecofeminists and the Greens/ Greta Gaard. Philadelphia : Temple University Press, 1998.

GARTNER, Carol B., Rachel Carson, N. Y.,1983

Gender, Ethnicity, and Class in Modern, Portuguese-speaking Culture / edited by Hilary Owen. Lewiston [N.Y.] : E. Mellen Press, c1996.

Género y Ambiente en Latinoameârica / Margarita Velázquez, coordinadora. Cuernavaca, Morelos : Universidad Nacional Autónoma de México, Centro Regional de Investigaciones Multidisciplinarias, 1996.

GRIFFIN, Susan. Woman and Nature: The Roaring Inside Her. New York:Harper and Row, 1978.

Made from this Earth: an Anthology of Writings / Susan Griffin, New York : Harper & Row, c1982.

The Eros of Everyday Life: Essays on Ecology, Gender, and Society / Susan Griffin, New York : Doubleday, c1995.

Bringing peace Home:Ffeminism, Violence, and Nature / edited by Karen J. Warren and Duane L. Cady, Bloomington : Indiana University Press, c1996.

Ecofeminism: Women, Culture, Nature / edited by Karen J. Warren ; with editorial assistance from Nisvan Erkal, Bloomington : Indiana University Press, c1997.

Ecological Feminism / edited by Karen J. Warren ; with the assistance of Barbara Wells-Howe, London ; New York : Routledge, 1994.

Ecological Feminist Philosophies / edited by Karen J. Warren, Bloomington : Indiana University Press, 1996.

HARDING , D.J.L.(ed.), Britain since Silent Spring : an update on the ecological effects of agricultural pesticides in the UK : proceedings of a symposium held in Cambridge on 18 March 1988 , London : Institute of Biology, 1988

Healing the Wounds: the promise of Ecofeminism / edited by Judith Plant. Philadelphia, PA: New Society Publishers, c1989.

HOLLAND-CUNZ, Barbara, 1957- , Soziales Subjekt Natur. Spanish Ecofeminismos / Barbara Holland-Cunz ; [traducción de Arturo Parada], Madrid : Cátedra ; [Valencia] : Universitat de València, Instituto de la Mujer, 1996.

HOWELL, Nancy R., 1953-, A Feminist Cosmology: Ecology, Solidarity, and Metaphysics / Nancy R. Howell. Atlantic Highlands, N.J.: Humanities Press, 1997.

HYNES, H. Patricia , The Recurring Silent Spring / H. Patricia Hynes Series: The Athene series , New York ; Oxford : Pergamon, 1989

Informativo Mulher e Meio Ambiente. São Paulo, Brasil : CIM, [1991]-1992.

JOHNSON, Elizabeth A., 1941- Women, Earth, and Creator Spirit / Elizabeth A. Johnson. New York : Paulist Press, c1993.

KHEEL, Marti. "Ecofeminism and Deep Ecology: Reflections on Identity and Difference." Reweaving the World: The Emergence of Ecofeminism. San Francisco: Sierra Club Books, 1990.

KING, Ynestra. "Healing the Wounds: Feminism, Ecology, and the Nature/Culture Dualism." Reweaving the World: The Emergence of Ecofeminism. San Francisco: Sierra Club Books, 1990.

KRALL, Florence R., 1926- Ecotone: Wayfaring on the Margins / Florence R. Krall. Albany : State University of New York Press, c1994.

LEAR, Linda, Rachel Carson, N. Y., Ungar,1983

Rachel Carson : Witness for Nature / Linda Lear ,1st ed , New York : Henry Holt, 1997

LYONS, Alana, Now it's our Turn: how Women can Transform their Lives and Save the planet / Alana Lyons. Malibu, Calif. : Jaguar Books, c1998.

MARCO, Gino J. , Robert M. Hollingworth, e William Durham(ed.), Silent Spring Revisited, Washington, D.C. : American Chemical Society, 1987

MARIE-DALY, Bernice, Ecofeminism: sacred matter/sacred mother / Bernice Marie-Daly. Chambersburg, PA : Published for the American Teihard Association for the Future of Man, Inc.by Anima Books, 1991.

MÄRKE, Erika. Frauen erheben ihre Stimme : Geschlechterfrage, Ökologie und Entwicklung / Erika Märke. Frankfurt : IKO-Verlag für Interkulturelle Kommunikation, [1995]

MARSHALL, Ian. "Literal and Metaphoric Harmony with Nature: Ecofeminism and Harriet Prescott Spofford's 'Circumstance.'" Modern Language Studies 23 (Spring 1993): 48-58.

MCCAY, Mary A., Rachel Carson, New York: Twayne Publishers; New York; Oxford: Maxwell Macmillan International, c1993

MELLOR, Mary. Breaking the Boundaries. German Wann, wenn nicht jetzt!: für einen ökosozialistischen Feminismus / Mary Mellor ; aus dem Englischen von Ursula Gramm. Hamburg : Argument-Verlag, c1994.

Feminism & Ecology / Mary Mellor. Washington Square, N.Y. : New York University Press, 1997.

MERCHANT, Carolyn, "Introduction: women ans ecology", in the Death of Nature, S. Francisco, 1980, pp. XIX-XXIV

"Nature as a female" in ibidem, pp. 1-41.

The Death of Nature: Woman, Ecology, and the Scientific Revolution. San Francisco: Harper and Row, 1981.

"Ecofeminism and Feminist Theory." Reweaving the World: The Emergence of Ecofeminism. San Francisco: Sierra Club Books, 1990.

"The Theoretical Structure of Ecological Revolutions." Environmental Review 11 (no. 4: Winter 1987): 269-74.

Earthcare:Women and the Environment / Carolyn Merchant, New York : Routledge, 1996.

Terra femina / Carolyn Merchant ... [et al.] ; [organizadoras, Rosiska Darcy de Oliveira, Thais Corral]. [Brazil] : Instituto de Ação Cultural : Rede de Defesa da Espécie Humana, [1992]-

Radical Ecology: the Search for a Livable World / Carolyn Merchant. New York : Routledge, 1992.

MIES, Maria. Ecofeminism / Maria Mies & Vandana Shiva.Halifax, N.S. : Fernwood Publications ; London ;Atlantic Highlands, N.J. : Zed Books, c1993.

MIT WISSEN, Widerstand und Witz: Frauen für die Umwelt/ herausgegeben von Christine von Weizsäcker und Elisabeth Bücking. Freiberg : Herder, c1992.

MURPHY, Patrick D., 1951- Literature, Nature, and Other: Ecofeminist Critiques / Patrick D. Murphy. Albany : State University of New York Press, c1995.

. "Ground, Pivot, Motion: Ecofeminist Theory, Dialogics, and Literary Practice." Hypatia 6 (Spring 1991) 146-161.

"Prolegomenon for an Ecofeminist Dialogics." Feminism, Bakhtin, and the Dialogic Voice. Eds. Dale Bauer and Susan Jaret McKinstry. SUNY Press, 1991.

MURPHY, Raymond, 1943- Rationality and Nature: a Sociological Inquiry into a Changing Relationship / Raymond Murphy. Boulder : Westview Press, 1994.

NEALSON, Christina, 1950- Living on the Spine: a Woman's Life in the Sangre de Cristo Mountains / Christina Nealson. Watsonville, CA : Papier-Mache, c1997

NORDQUIST, Joan. Radical Ecological Theory: a Bibliography /compiled by Joan Nordquist. Santa Cruz, CA : Reference and Research Services, 1993.

Ecofeminist Theory: a Bibliography / compiled by Joan Nordquist. Santa Cruz, CA : Reference and Research Services, 1994.

NORWOOD, Vera, Made from this Earth - American Women and Nature, Chapell Hill, 1993

e Janice Mouk (ed.) the Desert is no Lady, N. Haven, 1987

Planeta Fêmea, São Paulo, Brasil : CIM, 1993.

PLANT, Judith, ed. Healing the Wounds: The Promise of Ecofeminism. Philadelphia and Santa Cruz, CA: New Society Publishers, 1989.

PLUMWOOD, Val. Feminism and the Mastery of Nature. London: Routledge, 1993.

Power, Population, and the Environment: Women Speak / compiled by Gillian Phillips [for] WEED Foundation =Poder, Población, y Ambiente: Hablan las Mujeres / compilado por Gillian Phillips [para] WEED Foundation. Montevideo, Uruguay : NGONET, [1992]

PRIMAVESI, Anne, 1934- From Apocalypse to Genesis: Ecology, Feminism, and Christianity / Anne Primavesi. Minneapolis : Fortress Press, 1991.

PUIG I BOIX, Josep. L'Ecologisme: Aprenent a Rehabitar la Terra /Josep Puig i Boix. Barcelona : Barcanova, 1991.

QUINBY, Lee. "Ecofeminism and the Politics of Resistance." Reweaving the World: The Emergence of Ecofeminism. San Francisco: Sierra Club Books,1990.

RAE, Eleanor. Women, the Earth, the Divine / Eleanor Rae.Maryknoll, N.Y. : Orbis Books, c1994.

RAO, Manisha, Theory and Practice of Ecofeminism in India: an Analysis / Manisha Rao. Pune : Women's Studies Centre, Dept. of Sociology, University of Pune, 1996.

Readings in Ecology and Feminist Theology / Mary Heather MacKinnon and Moni McIntyre, editors.Kansas City : Sheed & Ward, c1995.

RUETHER, Rosemary Radford, Women healing earth: Third World Women on Ecology, Feminism, and Religion / edited and with introductions by Rosemary Radford Ruether. Maryknoll, N.Y.: Orbis Books, c1996.

SALLEH, Ariel, 1944- Ecofeminism as Politics: Nature, Marx, and the Postmodern / Ariel Salleh. London; New York : Zed Books ; New York : Distributed exclusively in the USA by St. Martin's Press, 1997.

SHEARER, Benjamin F. e Barbara S. Sherarer(ed.), Notable Women in the life Sciences. A Biographical Dictionary, West Port, 1996.

SHTEIR, Ann B., Cultivating Women Cultivating Science, Baltimore, 1996

SNYDER, Howard A. EarthCurrents: the Struggle for the World's Soul / Howard A. Snyder. Nashville : Abingdon Press, c1995.

SÖLLE, Dorothee. Den Himmel Erden: eine ökofeministische Annäherung an die Bibel / Dorothee Sölle, Luise Schottroff. München : Deutscher Taschenbuch Verlag, c1996.

SPRETNAK, Charlene. States of Grace: The Recovery of Meaning in the Postmodern Age. San Francisco: Harper San Francisco, 1991.

STURGEON, Noël, 1956-, Ecofeminist natures : race, gender, feminist theory, and political action / Noël Sturgeon. New York : Routledge, 1997.

Terra Femina, Rio de Janeiro, RJ, Brazil : IDAC : REDEH, 1992-

The Gendered new World Order: Militarism, Development, and the Environment / edited by Jennifer Turpin and Lois Ann Lorentzen. New York : Routledge, 1996.

This Sacred Earth: Religion, Nature, Environment / edited by Roger S. Gottlieb. New York : Routledge, 1996.

Toxic Struggles: the Theory and Practice of Environmental Justice / edited by Richard Hofrichter ; foreword by Lois Gibbs. Philadelphia : New Society Publishers, c1993.

VAN EMDEN, H. F. (Helmut Fritz) , Beyond Silent Spring: Integrated Pest Management and Chemical Safety / Helmut F. van Emden and David B. Peakall London : Chapman & Hall, 1996

VAN GOGH, Anna, 1931- Promise me Love: a Preview of a Brighter Tomorrow / by Anna van Gogh ; foreword by Jack Anderson. Grand Junction, Colo. : Lucy Mary Books, 1992.

Voeten in de Aarde: Radicale Groene Denkers /Frederik Janssens & Ullrich Melle (red.). Antwerpen : Hadewijch ; Utrecht : J. van Arkel, c1996.

WARREN, Karen. "Feminism and Ecology: Making Connections." Environmental Ethics 9 (no. 1: 1987): 3-20.

WHORTON, James C., 1942- , Before Silent Spring: pesticides and public health in pre-DDT America , Princeton : Princeton University Press, 1974

Women and Environment. Harare : Zimbabwe Women's Resource Centre and Network, [1993]

Women Healing Earth: Third World Women on Ecology, Feminism, and Religion/ edited and with introductions by Rosemary Radford Ruether. Maryknoll, N.Y.: Orbis Books, c1996.

Women Working in the Environment / edited by Carolyn E. Sachs. Washington, D.C.: Taylor & Francis, c1997.

Zhenshchina i zemlëiìa = Woman and Earth. Hartford, CT : [s.n.], 1992-

ZIMMERMAN, Michael E., 1946- Contesting Earth's Future:Rradical Ecology and Postmodernity/ Michael E. Zimmerman. Berkeley : University of California Press, c1994.

"Feminism, Deep Ecology, and Environmental Ethics." Environmental Ethics (Spring 1987): 21-44.



1. François d'Eauboune, le féminisme ou la mort, Paris, 1974, pp. 213-252. Irene Diamond, Reweaving the world, S. Francisco., 1990, p. 100.

2. M. Zimmerman, Contesting Earth's Future, Berkely, 1994, p. 233-319; M. Zimmerman, Environmental Philosophy..., NY, 1993, p. 263.

3. M. Zimmerman, 1993, p. 264.

4. C. Merchant, the Death of Nature, S. Francisco, 1980, p. XIX.

5. . Outras obras: Under the Sea Wind(1941), The Sea Around US(1951), The Edge of the Sea(1955).

6. Irene Diamond, Reweaving the world... S. Francisco, 1990, p. 8.

7. Veja-se Mary A. Mccay (1993), Linda Lear (1997), Carol B. Garter (1983) Martha Freeman (1994).

8. Aqui são assinaladas algumas destas pioneiras: Jane Colden(1724-1766), Agnes Chase, Alice Eastwood, Elizabeth K. Britton, Martha Maxwell, Kate Brandegee.

Gênero e meio ambiente


a atualidade do ecofeminismo

A preocupação com o meio ambiente tem aumentado no decorrer dos anos. Já não é mais possível esconder a relação existente entre as catástrofes naturais e a destruição e poluição do meio ambiente. A crise ambiental está gerando problemas de caráter alarmante, os quais, além de comprometer a qualidade de vida, em muitos casos danificam o meio ambiente de forma irreversível, colocando em risco a vida do planeta para as gerações atuais e futuras.
Os problemas ambientais não devem ser entendidos isoladamente, visto que são sistêmicos, interligados e interdependentes. O capitalismo, centrado na exploração de recursos naturais e seres humanos tem contribuído decisivamente para o aprofundamento da destruição ambiental. Como já afirmava Engels: “não devemos vangloriar-nos demais com as vitórias humanas sobre a natureza, pois para cada uma destas vitórias, a natureza vinga-se às nossas custas” (ENGELS, 1972: 452).
No decorrer da história da humanidade, as mulheres têm desenvolvido uma relação diferenciada com a natureza em comparação aos homens. Neste texto, analisamos a pré-disposição das mulheres em proteger o meio ambiente e qual a relação existente entre a exploração e dominação da natureza e a dominação e subordinação das mulheres nas relações de gênero. Nesta análise, o movimento ecofeminista apresenta elementos importantes para a compreensão desta relação, contribuindo para a superação de visões simplificadoras acerca do tema.
1. A relação das mulheres com a natureza
Uma das primeiras representações divinas criadas pelos seres humanos foi a figura da “Deusa”, que representava a “mãe terra”. Conforme a mitologia grega, a Grande Mãe criou o universo sozinha, sendo Gaia a criadora primária, a “Mãe Terra”. Também as religiões pagãs antigas, como dos Vikings e Celtas, mantinham uma relação próxima com a natureza e cultuavam deusas, concedendo um destaque especial para as mulheres, pois estas tinham uma proximidade muito grande com a “Mãe Terra”, possuindo ambas o poder da fertilidade. Na mitologia celta, as mulheres eram invulneráveis, inteligentes, poderosas, guerreiras e líderes de nações. As mulheres também foram os primeiros seres humanos a descobrir os ciclos da natureza, pois era possível compará-los com o ciclo do próprio corpo. Com o cristianismo, a sociedade ocidental afastou-se destas origens pagãs de contato com a natureza e a mulher perdeu seu destaque, já que o Deus cultuado passou a ser masculino. A única figura feminina sagrada preservada foi a de Maria, mas não como uma divindade, e sim como uma intermediária de Deus, uma coadjuvante.
Diante da crise ambiental mundial e da consciência de que a Terra precisa ser preservada para garantir a sobrevivência das espécies, inclusive a humana, houve um despertar de valores ecológicos, ou seja, valores ligados à “Deusa” cultuada pelos povos pagãos, como o respeito a todas as formas de vida no planeta, a convivência na diversidade, etc.
2. O “cuidado” como tarefa feminina
A opressão e submissão das mulheres surgiram muito antes do capitalismo. Seu surgimento pode ser verificado historicamente desde que os povos deixaram de ser nômades e utilizaram a divisão social do trabalho como forma de organização. Assim, as mulheres permaneceram mais ligadas ao lar e aos filhos, enquanto os homens se ocupavam prioritariamente com as caçadas, por serem, na maioria das vezes, dotados de maior força física. Assim, as mulheres descobriram a agricultura e passaram a ter uma relação mais próxima com a natureza. Com a descoberta do papel masculino na reprodução, entretanto, era necessário saber quais os filhos que pertenciam a determinado homem para garantir a sucessão da herança. Inicia-se, desta forma, o controle sobre o corpo da mulher e o fato de mantê-la no âmbito do lar e cuidando da prole de um relacionamento monogâmico, facilitava tal intuito.
Através do desenvolvimento do capitalismo, as diferenças de gênero foram intensificadas. As mulheres foram, estrategicamente, encarregadas do trabalho doméstico, cuidando da casa, das crianças, dos velhos e doentes, além de “servirem” o marido, sendo caracterizadas como “rainhas do lar”. O trabalho doméstico foi considerado gratuito e denominado como trabalho não produtivo. Ao capitalismo a submissão social da mulher serviu inicialmente para diminuir os custos de reprodução do trabalho, uma vez que o salário do homem não precisava ser tão alto, pois ele não necessitava pagar pelos serviços domésticos (MIES, 1989: 47).
Simone de Beauvoir (BEAUVOIR, 1968) denuncia em seu livro O Segundo Sexo a exclusão das mulheres do espaço público em função da naturalização do papel feminino na reprodução. Desta forma, a mulher passa a ter uma vida cíclica, quase inconsciente, enquanto aos homens são reservados todos os benefícios da “civilização”[1]. Esta “naturalização” da tarefa feminina na reprodução e na vida doméstica, bem como a responsabilidade pela alimentação e saúde da família, acabou aproximando a mulher da natureza. Em muitas culturas as mulheres são as responsáveis pela manutenção da biodiversidade. Elas produzem, reproduzem, consomem e conservam a biodiversidade na agricultura (MIES/SHIVA, 1995: 234). Portanto, a tendência é que, para as mulheres, o equilíbrio do meio ambiente venha a se apresentar como um fator fundamental para a qualidade de vida da família, concebendo, assim, a natureza como fonte de vida que precisa ser preservada[2]. Enquanto isto, na visão capitalista patriarcal, a natureza não passa de um mero objeto de exploração, dominação e poder.
Os filósofos adeptos à ecologia profunda[3] afirmam que, se os homens estivessem mais próximos às tarefas domésticas e de reprodução, haveria um ganho na qualidade de vida e, conseqüentemente, na proteção ambiental, uma vez que eles teriam uma percepção real da unidade e interdependência dos seres humanos com o meio ambiente. As mulheres já fazem isto, porque a elas foi deixada a tarefa do cuidado e da manutenção da vida (CAPRA, 1996).
3. Ecofeminismo
O ecofeminismo originou-se de diversos movimentos sociais – de mulheres, pacifista e ambiental – no final da década de 1970, os quais, em princípio, atuaram unidos contra a construção de usinas nucleares. O movimento ecofeminista traz à tona a relação estreita existente entre a exploração e a submissão da natureza, das mulheres e dos povos estrangeiros pelo poder patriarcal (MIES/SHIVA, 1995: 23). Assim, a dominação das mulheres está baseada nos mesmos fundamentos e impulsos que levaram à exploração da natureza e de povos. Tanto o meio ambiente como as mulheres são vistos pelo capitalismo patriarcal como “coisa útil”, que devem ser submetidos às supostas necessidades humanas, seja como objeto de consumo, como meio de produção ou exploração. Além disso, o capitalismo patriarcal apresenta uma intolerância diante de outras espécies, seres humanos ou culturas que julga subalternas ao seu poder, buscando, assim, dominá-las. Neste contexto estão inseridos tanto o meio ambiente quanto as mulheres.
O ecofeminismo pode ser dividido em três tendências:
a) Ecofeminismo clássico. Nesta tendência o feminismo denuncia a naturalização da mulher como um dos mecanismos de legitimação do patriarcado. Segundo o ecofeminismo clássico, a obsessão dos homens pelo poder tem levado o mundo a guerras suicidas, ao envenenamento e à destruição do planeta. Neste contexto, a ética feminina de proteção dos seres vivos se opõe à essência agressiva masculina, e é fundamentada através das características femininas igualitárias e por atitudes maternais que acabam pré-dispondo as mulheres ao pacifismo e à conservação da natureza, enquanto os homens seriam naturalmente predispostos à competição e à destruição;
b) Ecofeminismo espiritualista do Terceiro Mundo. Teve origem nos países do sul, tendo a influência dos princípios religiosos de Ghandi, na Ásia, e da Teologia da Libertação, na América Latina. Esta tendência afirma que o desenvolvimento da sociedade gera um processo de violência contra a mulher e o meio ambiente, tendo suas raízes nas concepções patriarcais de dominação e centralização do poder. Caracteriza-se também pela postura crítica contra a dominação, pela luta antisexista, antiracista, antielitista e anti-antropocêntrica. Além disso, atribui ao princípio da cosmologia a tendência protetora das mulheres para com a natureza;
c) Ecofeminismo construtivista. Esta tendência não se identifica nem com o essencialismo, nem com as fontes religiosas espirituais das correntes anteriores, embora compartilhe idéias como antiracismo, anti-antropocentrismo e anti-imperialismo. Ela defende que a relação profunda da maioria das mulheres com a natureza não está associada a características próprias do sexo feminino, mas é originária de suas responsabilidades de gênero na economia familiar, criadas através da divisão social do trabalho, da distribuição do poder e da propriedade. Para tanto, defendem que é necessário assumir novas práticas de relação de gênero e com a natureza.
PULEO alerta para a debilidade teórica existente nas duas primeiras tendências, como também para um possível risco de se afirmar a utilização de estereótipos femininos na sociedade. O ecofeminismo construtivista, por sua vez, desconsidera a importância da mística, o que acaba dificultando a mobilização das mulheres em torno do tema, elemento este que para o ecofeminismo espiritualista tem representado uma força prática efetivamente mobilizadora.
As mulheres pobres do Terceiro Mundo, que vivem em uma economia de subsistência, são as maiores vítimas da crise ambiental em seus países, pois são as primeiras a sentirem o reflexo da diminuição da qualidade de vida causadas pela poluição ou escassez dos recursos naturais, os quais são explorados indiscriminadamente para satisfazer as “necessidades” do Primeiro Mundo. A lógica do capitalismo tem se demonstrado incompatível com as exigências ecológicas para a sustentabilidade da vida no planeta. Portanto, ao contrário do que muitos ecologistas pensam, não é possível ecologizar o capitalismo, assim como também não é possível acabar com a dominação e exploração do gênero feminino sem superar as estruturas capitalistas patriarcais que a mantém. Deste modo, tanto a solução da crise ambiental quanto a da opressão das mulheres não devem ser tratados como problemas isolados. A salvação da vida no planeta, assim como a emancipação não só das mulheres como de todos os seres humanos, dependem de uma mudança estrutural e organizacional da sociedade. E para isto, é imprescindível a ação conjunta dos movimentos sociais contra seu opressor comum: o capitalismo patriarcal.

Referências bibliográficas:
BEAUVOIR, Simone de. Das andere Geschlecht: Sitte und Sexus der Frau. Hamburg: Rowohlt, 1968.
CAPRA, Fritijof. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 1996.
ENGELS, Friedrich. Dialetik der Natur. MEW 20. Berlin: Dietz Verlag, 1972.
MIES, Maria. Patriarchat und Kapital. Frauen in der internationalen Arbeitsteilung. Zürich: Rotpunktverlag, 1996.
MIES, Maria/SHIVA, Vandana. Ökofeminismus: Beiträge zur Praxis und Theorie. Zürich: Rotpunkt-Verlage, 1995.
PULEO, Alicia H. Feminismo y ecología. Disponível no site: http://www.nodo50.org/mujeresred/ecologia-a_puleo-feminismo_y_ecologia.html
PUSCH, Luise F. Feminismus – Inspektion der Herrenkultur. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1983.

PORNOCRACIA CARNÍVORA

what´s your cut?

terça-feira, agosto 28, 2007

politicas sexuais da carne

comer animais exercita mera representação de valores patriarcais
comer carne é a reinscrição do poder masculino em cada refeição
a visão patriarcal busca não o fragmento de carne de animais mortos
mas comida apetitosa
atividades vegetarianas contrariam consumo patriarcal
e desafiam o conceito da morte
atividades vegetarianas declaram que um ponto de vista do mundo alternativo existe
um que celebra a vida ao invés de consumir morte
um que não se baseia em animais triturados mas pessoas empoderadas

se carne é um símbolo de dominância masculina
então a presença da carne proclama o despoderamento das mulheres

precisa um não para objetificar um passo a mais
não apenas objetificamos animais
mas ao desobjetificá-los tiramos o que queremos
deles e deixamos suas carcaças
nós deixamos sua morte de fora e tiramos seus corpos
nós tiramos as imagens de suas mortes de fora e tiramos
o significado da carne e o aplicamos às mulheres

nós podemos não escolher entre uma causa de libertação ou outra
direitos humanos e direitos animais sofrem opressão comum no mundo patriarcal
dominância masculina ataca feminismo, eles dizem que somos (dirigentes de bordéis?),
dizem que somo referência doméstica, dizem que somos odiadoras de homens
dominãncia humana ataca direitos animais, eles dizem que somos terroristas,
dizem que somos odiador@s de pessoas


créditos: fernando
fonte:banda consolidated
sexual politics of meat, do album friendly fa$cism

segunda-feira, julho 23, 2007

Por que abolicionistas?

"Os animais existem por suas próprias razões. Eles não foram feitos para humanos, assim como negros não foram feitos para brancos ou as mulheres para servir aos homens." (Alice Walker)
.

A denominação abolicionista, no presente contexto, corresponde à postura daqueles que se opõem à escravidão animal em todas as suas formas. Sabe-se, afinal, que a exploração dos animais é institucionalizada pelo Poder Público e movimenta, mundialmente, poderosas corporações industriais na garantia de interesses econômicos dos mais diversos. Definir o ser humano como espécie superior, que subjuga animais a seu bel-prazer, é prestar uma infeliz homenagem à doutrina antropocêntrica dominante.

Nosso sistema social compactua com a opressão das outras espécies, legitimando a escravização de seres sencientes em meio a um cenário entremeado pela ganância, pela insensibilidade ou pela indiferença humana em relação ao sofrimento alheio. Torna-se o animal-objeto, assim considerado, mera propriedade privada ou recurso destinado à obtenção de determinados fins, sejam eles lícitos ou não. É como se, em nome do poder, triunfassem a espingarda e o chicote sobre as leis morais.

A crueldade humana parece não ter fim. Jaulas, armadilhas, rédeas, gaiolas, esporas, chibatas, correntes, ferro em brasa, granjas, matadouros, arenas e biotérios, dentre outras tantas formas de subjugação animal, tornam-se símbolos da violência humana que se perpetua ao longo dos séculos. O imperialismo, o especismo, os regimes escravocratas, o classicismo, a exploração, etc., têm uma base comum: o antropocentrismo legitimado pela falácia da sociedade patriarcal. Daí porque a autêntica postura abolicionista revela que um movimento em favor dos direitos animais deve se fundamentar em sólidos postulados éticos, nos princípios essenciais da Justiça e na crítica aos atuais valores humanos. Inserido nesse contexto, o veganismo surge como opção mais coerente para buscar e obter transformações.

Daí porque o chamado bem-estarismo animal, a exemplo do apartheid, da libertação sexual e do welfare state, não é uma forma de apoiar a luta abolicionista, e sim de silenciar a causa libertadora. Há de se incluir os animais no âmbito de nossas considerações morais, afastando deles o estigma de propriedade ou da pretensa relevância ambiental que possam vir a ter. Os animais, em síntese, merecem ser respeitados enquanto tais, não em função de sua suposta utilidade aos seres humanos.

É preciso enfrentar a raiz do problema, construindo uma sociedade que se assente em fundamentos filosóficos não-opressivos, que, acima de tudo, respeite as outras espécies, independentemente de sua condição ou serventia. Somente assim poderemos acreditar em um mundo mais justo para todos, em que a escravidão – seja ela qual for - esteja completamente abolida.

"Desconfiai do mais trivial, na aparência, singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual. Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar."

(Bertolt Brecht)

quinta-feira, julho 19, 2007

FEMINISMO E ABOLICIONISMO ANIMAL

Sexismo e Especismo - Tamara Bauab Levai

A sociedade atual ainda prioriza o homem branco ocidental em detrimento de todo o resto da criação. Comportamentos considerados culturais, não devem ser confundidos com comportamento natural, não é natural que seres humanos dotados de consciência e racionalidade, do século XXI ainda possam se divertir com acontecimentos como um rodeio ou uma tourada, seres que pregam a paz e dizem lutar por ela ainda toleram violência contra a mulher achando que este tipo de coisa é natural, não é.

O movimento de libertação visa por fim ao preconceito e a discriminação baseados em características arbitrárias, como a raça, o sexo ou a espécie, talvez o especismo seja nossa última fronteira ética, isso requer uma expansão dos nossos horizontes morais.

Negros e mulheres já foram considerados seres inferiores, desprovidos de alma ou inteligência. Querer igualdade moral para os animais parece tão absurdo quanto achavam absurdo a igualdade feminina.

Os sexistas violam o princípio da igualdade, ao favoreceram os interesses do próprio sexo. Os especistas ao levarem em conta os interesses de sua própria espécie em detrimento dos interesses de membros de outras espécies .

No começo da "ocupação" humana sobre a Terra, ainda não se reconhecia o envolvimento do homem na geração de novos seres. O surgimento da vida era atribuído ao corpo feminino, e por este motivo desenvolveram uma divindade feminina, a vida era ocasional, uma benção da deusa mãe. Eram tempos matriarcais.

O homem se esforça para estar ao lado da mulher desenvolvendo amor pelos filhos. Nosso sucesso como espécie deveu-se á divisão do trabalho entre machos e fêmeas, os machos se especializaram na função de provedores de alimento, as fêmeas ocupavam o centro da vida social, preparando o alimento, criando os filhos e organizando a tribo, as mulheres aprenderam a lidar com vários problemas ao mesmo tempo. Havia um equilíbrio entre homens e mulheres, eram diferentes mas iguais.

As comunidades humanas se fixam cada vez mais, surgem disputas dos grupos por territórios, isso eleva a categoria dos homens a guerreiros pois a vida da mulher como geradora de vida nova era muito valiosa e merecia ser defendida.

Lentamente um ressentimento masculino vai germinando neste estado primitivo, que queria ter o poder de criação para si e ocupar o lugar central da sociedade, surge o masculino opondo-se a tudo o que era feminino. Lentamente a revolução patriarcal vai se organizando.

O homem toma para si o poder da criação, os cultos ao deus fálico crescem, o homem passa a ter maior importância no surgimento da vida.

Os homens tornaram-se importantes com a guerra, organizam as coisas para "manter a ordem", se sente forte, glorioso, com desejos de grandeza, esposo da deusa, um deuso, um deus...para isso tem que assassinar a deusa, tomar-lhe o poder, tomando a terra, desprezando a terra, dizendo que o importante é a semente, assim como o corpo da mulher seria inerte sem a semente masculina.

Tomam o poder de controlar a vida. A deusa gera e o homem toma para si, surge o paternalismo, surge a propriedade, a terra propriedade, a mulher propriedade, os filhos propriedades, os animais propriedade.

A deusa é caluniada, seu culto é chamado de paganismo indecente, o deus é gerado numa mãe virgem inviolada e sofredora, de um pai austero que premia com seu amor quem se deixa domesticar e submeter-se a ele, um pai punidor, racional, controlador.

Um deus homem, um lar patriarcal, um regime de violência, dominação.

Disso decorrem o patriarcado - a falácia do poder - o imperialismo, o militarismo, o capitalismo, o industrialismo, o consumismo, o racismo, o sexismo e o especismo. Dominação andro-antropocêntrica, exploradora e antiecológica.

O modo como toleramos a violência e crueldade contra os animais não humanos, nos mostra como toleramos também a violência contra as mulheres, os negros, os pobres, os idosos.

Assim com as feministas, os defensores dos direitos dos animais, são ridicularizados, suas aspirações consideradas irrelevantes, são acusados de: radicais, extremistas, chamados de histéricos, emotivos, neuróticos, anti-sociais.

Opor-se a exploração animal é um ato de amor próprio, de escolha, de liberdade de dizer não, de não ser massificado pelo sistema.

Podemos escolher ter uma vida não brutalizada, não violenta.



http://www.sentiens.net/top/PA_TRI_tamara_03_top.html


quinta-feira, julho 12, 2007

sexta-feira, junho 01, 2007

PETA: ONDE APENAS AS MULHERES SÃO TRATADAS COMO CARNE

"Especismo é errado porque, assim como racimo, sexismo e homofobia, exclui seres sencientes da plena participação na comunidade moral baseado em características irrelevantes. Raça, sexo, orientação sexual, e espécie é tudo irrelevante para a capacidade de ser prejudicado. Mas a rejeição do especismo nesse grupo implica a rejeição da discriminação baseada em raça, sexo, orientação sexual. É inaceitável que se perpetue a comodificação de um grupo em benefício de outro. Comodificação envolve tratar o outro – seja uma mulher, pessoa de cor, gay ou lésbica, ou não-humano – como um objeto, como ALGUMA COISA antes de ALGUÉM. Por muitos anos, People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) promoveu campanhas sexistas. Tudo começou com a sua campanha “Eu prefiro ficar nu a vestir pele”no começo dos noventa e foi “progredindo” através de séries de promoções baratas e pueris, culminando no mais recente: PETA’s State of the Union Undress (Estado da União do PETA despido), que gerou mais decepções, até mesmo da própria PETA. E isso é dizer algo de uma organizacao que fez o seu melhor para reduzir questões sérias de exploração animal em um bando de piadas de armários de vestiários. Agora nós já fomos para o nu feminino frontal total (e depilado) —“para os animais.” Você primeiro deve clicar para significar que você tem mais que 18 anos. E depois você assistirá uma mulher se despir completamente enquanto ela fala sobre as campanhas bem estaristas concebidas para que vocês consumam com compaixão, você verá vários minutos de fotos gloriosas de não humanos sendo explorados em vários contextos. Esse vídeo termina com uma citação de Dr. Martin Luther King sobre justiça. São realmente múltiplos estágios de pornografia. E este video mais recente, embora mais extremo que esforços passados do peta neste regardo, é problematico pelas razoes que todas as campanhas sexistas e misogenas do peta sao problematicas.

Primeiramente, essas campanhas comodificam um grupo tradicionalmente desfavorecido (mulheres) com a suposta intenção de ajudar um outro grupo desfavorecido (não-humanos). Mas que sentido tem em dizer que devemos tratar um grupo instrumentalmente com o objetivo de ajudar um outro grupo? Isso não faz nenhum sentido de qualquer jeito. Pelo contrário: ao encorajar o público a ver mulheres como objetos, PETA meramente garantirá que as pessoas continuarão a ver não-humanos como objetos. Enquanto continuarmos a tratar as mulheres como carne, nós continuaremos a tratar não-humanos como carne.

É imprescindivel que objetamos ao tratamento instrumental de qualquer grupo. Desvalorando e comodificando qualquer grupo para o suposto beneficio de outro é imoral e derrotista.

Segundo, por acoplar imaginário sexual com imagens de violência em torno de não-humanos, essas campanhas tentam erotizar exploração animal. Nós vivemos numa cultura em que violência, e particularmente violência contra mulher, é erotizada em uma variedade de maneiras. Perpetuando isso, e extendendo à exploração de não humanos, é profundamente problemático.

Terceiro, essas campanhas tem tudo haver com a promoção do PETA e nada com a exploração de animais não humanos. PETA começou sua campanha de nudez contra peles no começo dos 90. A indústria de peles está mais forte que nunca. Houve um dramático crescimento na década passada do número de lojas trazendo peles e o número de designers usando pele combinando com significante diminuição da idade comum dos compradores de pele. Uma enquête de 2004 da Gallup descobriu que 63% dos pesquisados pronunciaram-se em relação a compra e uso de roupas feitas com pele de animais como ´moralmente aceitável´. Ainda que bons resultados para não humanos poderia não justificar sexismo, sexismo não tem produzido nenhum bom resultado pra não humanos.

Quarto, essas campanhas continuarão fazendo um destrabalho pra encorajar uma discussão séria sobre exploração de não-humanos, incluindo a importancia do veganismo, os problemas do bem estar animal, o status apropriado para os não humanos, pensamento especista, etc. Ao invés disso, eles irão fazer qualquer pessoa pensante que ainda não está convencida a desacreditar o “movimento” como estúpido, ofensivo e imaturo. Nao é nenhuma maravilha que outros progressistas politicos isolem o movimento


A idéia de que PETA pensa ser apropriado terminar o striptease de um vídeo com uma frase de M
artin Luther King sobre injustiça é indicação encorajadora de que PETA intende trivializar qualquer coisa e qualquer um em sua lucrativa tentativa de se promover. Talvez PETA deveria lembrar que Dr. King avançou significativamente na causa da justiça através do intelecto, tenacidade, dignidade e coragem e sem ter precisado qualquer vez ter “ficado pelado” para ganhar direitos civis ou se engajar em qualquer tipo de sensacionalismo e excentricidade barata que se tornou a marca registrada do PETA.

Eu venho sendo critico com o sexismo do PETA desde o começo dessas campanhas no começo dos 90. E toda vez que eu gerei essa questão com vários dos
PETAphiles, incluindo Ingrid Newkirk, fui informado que não havia nada de errado com essas campanhas porque as mulheres envolvidas participavam com prazer e que era uma expressão de feminismo ficar nua “para os animais.” Isso é tão ridiculo quanto dizer que atores afro-americanos que perpetuavam estereotipos racistas em comédias de negros nos anos 1920 e 1930 estavam prestando contribuição à causa. O fato de que a exploração é “com aprovação da vítima” não significa que não é exploração. Apenas tem a dizer que sexismo é tão pervasivo em nossa sociedade que tantas mulheres estejam cegadas por ele. Isso não deveria ser dito com tanta surpresa.

Aqueles de vocês que estimam a PETA como “radical” precisam repensar sua compreensão do que seja o termo. Ser “radical” envolve ir à raiz da causa. Uma solução radical é a que vai à raiz do problema e propoe mudança fundamental.As campanhas do PETA são indistinguíveis das propostas tradicionais de bem estar animal. O fato é que PETA também promove sexismo e tenta ofender qualquer um ao dizer que isso é apenas pra conseguir atenção da mídia não a faz nada “radical.” PETA não está agindo no sentido de uma mudança substancial no paradigma prevalescente da hierarquia especista e opressão – ao contrário, reforça esse paradigma.


A PETA pode ter começado como uma organização que valia a pena, mas tornou-se um fim em si mesma. Vem usando os não-humanos explorados como meras “escoras” numa série interminável de autopromoções que a tornaram multimilionária. Abandonou qualquer pretensão de ser abolicionista, em qualquer sentido sério. A PETA está atrapalhando, e não ajudando, a causa dos direitos animais. Se você apoiar a PETA, deveria pensar sobre manter ou não esse apoio.

Mas, se o fato da PETA dar um prêmio à “visionária” planejadora de matadouros e exploradora de animais Temple Grandin, ou se a posição da PETA de que direitos animais significa animais mortos, não fizer você chegar à conclusão de que Newkirk e seus amigos foram longe demais, a ponto de perderem totalmente o rumo, então talvez um strip-tease frontal feito por uma mulher exaltando as virtudes do bem-estar animal, justaposto a cenas de exploração de não-humanos e terminando com o Dr. Martin Luther King, também não vão incomodá-lo."


Gary L. Francione

Estado do Movimento
© 2007 Gary L. Francione







sexta-feira, maio 04, 2007

"Farra do boi"


Da farra-de-homens mal-acostumados, contra bois indefesos
Sônia T. Felipe



Do boi e do homem voltamos sempre a falar, no Estado de Santa Catarina, a cada ano, com a aproximação das festas da ressurreição. Sempre a pretexto de se preservar a cultura e a tradição açorianas, trazidas para a Ilha de Santa Catarina, aficcionados cidadãos, rasgando a Constituição e ridicularizando a ética e a justiça, reúne-se, levando suas próprias crianças, tão vulneráveis à violência e à morte como o boi, para correr atrás de bois, em estado de pânico. Parece muito inocente, essa farra que mata jovens e meninos, todos os anos, erroneamente denominada de a farra do boi, pois, a bem da verdade, ela é simplesmente a farra de alguns poucos homens, com gosto de sangue a lhes anuviar o sabor da própria vida.



O boi corre, exausto, faz investidas contra os que o maltratam, estaca, senta-se, bufa, as narinas dilatadas, o pulmão em sufoco, o coração em disparada, um toco ensanguëntado no lugar da cauda. Coração, pulmões, músculos, e a desproporção entre a estrutura muscular de suas pernas e o volume do corpo, obrigado pela multidão a mover-se com velocidade, são o que de mais objetivo se apresenta aos sapiens, como indicadores da constituição vulnerável do bovino.

Por natureza, esse animal não é de corrida, muito menos, de luta. Ele não tem garras nem presas. Não ataca a não ser em legítima defesa, não morde, nem fere, se deixado em paz. O volume de seu corpo, porém, excita os machos que fazem uma farra. Confrontar-se com tal volume parece propiciar-lhes o que lhes falta: virilidade. E esta não se mostra boa-coisa. É bruta. Machuca e mata.

Investir contra os que o atacam, nem sempre resulta eficaz, para o boi. Para poder investir com sucesso, faltam-lhe os músculos típicos do arranque veloz e da corrida-de-fundo. Falta-lhe, ainda, treinador, massagista, fisioterapeuta, benesses dos reais lutadores humanos, que sobem às arenas do boxe, e das demais lutas nas quais homens confrontam-se fisicamente.

Mas, não se trata apenas da constituição anatômica e fisiológica do animal, também de sua constituição psíquica. O boi investe contra esse outro animal que o provoca, não porque ache isso uma delícia de brincadeira. Ele o faz, tentando demover o agressor de aproximar-se demasiadamente do seu corpo. Afinal, um corpo enorme, pesando mais de meia tonelada, sustentado e transportado por quatro pernas pequenas e finas, com músculos impróprios para a luta, é tudo o que o animal tem, para mostrar ao homem que se excita em sua presença, que essa tradição não apenas é de pouco bom-gosto, mas cruel em sua origem, pois parte do suposto de que os animais são objetos da diversão de homens entediados. Bois são lentos ao caminhar. Grande é a queima de oxigênio para mover seu corpo, por isso ele se move com lentidão. Falta-lhe oxigênio.



O mesmo nos acontece. Sofremos quando temos de nos deslocar em velocidade superior à da reposição de oxigênio. Por essa razão, comemoramos tanto o velocista olímpico, o maratonista. Pois o atleta força sua natureza a superar-se. A diferença é que ele escolhe o desafio e o custo de romper seus próprios limites biológicos. O boi não tem escolha. É simplesmente forçado a compor uma cena que jamais poderá lhe propiciar qualquer benefício. Enquanto os atletas treinam anos a fio sua fisiologia, para superar a condição natural e competir com seus iguais, na arte treinada, a maioria dos seres humanos não se dedica a nada disso, pois não vê benefício algum em gastar tanta energia, para compor a cena final da competição, e servir de espetáculo para os sedentários.



Somos como os bois. Sem treino para o jogo. Qualquer esforço sobre músculos do nosso corpo, não utilizados nas atividades sedentárias diárias, resulta em falta de ar, pulsação acelerada, perda de líquido, dores horríveis durante o esforço desmesurado e no dia seguinte. Em nosso psiquismo a reação que se esboça é a de uma profunda angústia, medo de parada cardíaca, medo de sufocar, medo da dor. Sentamos na calçada, ofegantes. Mas, ninguém nos dá cutucadas nem chutes para que prossigamos.




Tudo o que mais abominariam, caso alguém se atrevesse a fazer contra seus corpos, na farra-do-boi, esses homens fazem contra o animal. Toda a crueldade é praticada em nome da tradição, como se a defesa de um costume fosse um valor absoluto, mesmo quando o costume aparece aos olhos de todos os demais como brutal, violento, inútil, injusto, expressão de um atraso moral inqualificável, pois não faltam argumentos contrários aos mesmos, na mídia impressa, escrita e televisionada.



Os açorianos, caso algum dia tenham brincado com bois soltos nas ruas, certamente o fizeram num tempo em que não havia mais nada para distrair a multidão aborrecida, a não ser os rituais religiosos. A farra é um ato não-religioso, fere os princípios mais básicos da moralidade humana, o sentido de justiça e o próprio conceito de humanidade que a tanto custo se tem procurado
Os animais sensíveis não sentem apenas a dor, têm consciência e angústia do limite de seu corpo. A crueldade contra eles expressa simplesmente o nível de crueldade da qual o homem é capaz, contra os seres de sua própria espécie.




Um país que vilipendia sua própria Constituição, que deixa os policiais observando as práticas de crueldade contra os bois sem levar preso quem farreia, julga-se acima da moralidade humana, acima dos padrões internacionais de civilidade, acima do dever de compaixão e de justiça.




Nesse país, por conta de sua tradição hipócrita e indiferente ao sofrimento de quem sofre a crueldade, exatamente, perecem meninos, vítimas dessa farra contra vida, que, hoje, ao redor do planeta, só no Brasil se pratica com desdém, pois em outros lugares a morte vem pela mão do inimigo, não do que está próximo. No Brasil, há uma farra contra a vida dos seres vulneráveis à brutalidade alheia, que se estabelece a cada dia. Ora o boi é usado como arma para matar a criança, ora o automóvel, ou o hábito de consumir drogas fornecidas por um mercado de violência e morte.




Em uma região apenas, de Santa Catarina, temos essa farra repulsiva, a repetir-se cada ano. O povo do resto do Estado envergonha-se de encabeçar, na quaresma, a lista dos mais violadores dos direitos animais, ao redor do planeta. Mas, a matriz cognitiva e moral da violência é de uma mesma natureza: sua matança em massa, nos centros de confinamento dos animais para o abate, e pela tortura contra os bois escolhidos para a farra dos mal-acostumados a uma tradição que apenas nos achincalha, nosso Estado está batendo todos os recordes internacionais de maldade contra os animais. Há alguém que sente orgulho disso?




Jamais presenciamos qualquer animal praticando atos que excedam sua capacidade física natural. E, menos ainda, o fazem contra nós. Sempre que presenciamos uma cena dessas, esses animais estão em nosso poder e são forçados, por medo de chibatadas, medo da morte ou angústia artificialmente produzida, a fazerem o que, por livre e espontânea vontade jamais fariam.



A farra dos homens contra o boi é uma farra andro-chauvinista, exclusiva do homem. Emoções fortes é o que esse procura, ao colocar um boi na jogada. As mesmas emoções, com nenhum prejuízo ético, esse homem pode conseguir correndo colina acima, para chegar por primeiro. Imagine se um boi o perseguisse colina acima! Farra, na qual uma das partes nada ganha e tudo perde, e outra se regozija é gozo, não é brincadeira. A perversão moral leva o homem a julgar que deve preservar a tradição que lhe assegura o privilégio de gozar às custas da dor e do sofrimento alheios. O estupro é uma prática sexual tradicional. A violência contra as mulheres, também. Não por coincidência, ambas são práticas tradicionais de homens, contra seres vulneráveis.



Se seres superiores a nós em inteligência nos capturassem e nos levassem em gaiolas para seus territórios, nos usassem em brincadeiras aterrorizantes, incompreensíveis para nosso intelecto, certamente não expressaríamos em sua língua o sofrimento ao qual nos sujeitariam, mas, estarrecidos, constataríamos a existência de seres capazes da maldade, resultante do uso de sua superioridade intelectual e racional para troçar cruelmente de nós. O modo como toleramos a crueldade e extermínio de animais não-sapiens revela, lamentavelmente, o quanto toleramos a crueldade contra adolescentes nas ruas, negros, homossexuais, mulheres, idosos, pobres e sem-teto. Para mudarmos nossa relação com esses últimos, urge que nos demos conta do que fazemos a todos os seres que julgamos inferiores a nós.





O valor da vida: de seres sencientes... humanos... e de pessoas

8. O valor da vida: de seres sencientes... humanos... e de pessoas

Quando se discute o valor da vida, o valor da vida de um ser humano, e o da vida de uma pessoa, a questão central é a do direito de se tirar ou não a vida de tais seres. Há, porém, ainda uma segunda questão, a do direito de tratar os seres de modo discriminatório em função do valor que suas vidas possuem. Reconhecer um valor distinto para os seres que são pessoas, não implica em atribuir a esses seres o direito de maltratar ou mesmo de matar seres que não chegam a constituir-se como pessoas. Dado que não há superioridade nem inferioridade, embora haja distinção na qualidade de diferentes formas de vida, nenhum ser tem um direito superior ao de um outro ser qualquer à vida. O maior valor que sua vida lhe oferece deve bastar a um ser que vive uma vida distinta como privilégio. Nesse sentido, ao nascermos em uma espécie que nos dota de habilidades que nos permitem gozar a vida de uma pessoa, tal existência por si só já traz consigo tantos benefícios que não devemos concluir ter ainda mais direitos sobre a vida ou a condição de vida de outras formas de ser, diversas, distintas da nossa.

Não é especista reconhecer que a vida de um ser capaz de pensamento abstrato, consciência, planejamento futuro, de atos complexos de comunicação, é mais valiosa do que a de seres não capazes de tudo isso. Mas, acrescenta Singer, é preciso primeiro discutir a questão do valor da vida de modo geral, para se poder fazer uma discussão do valor dela do ponto de vista ético, que compara, então, a vida, como um interesse a ser igualmente considerado.[53]

Não decorre, da distinção e valorização que Singer faz da vida humana, nenhum juízo moral ou norma de discriminação contra os interesses de seres não dotados dessa forma de vida, pois o Autor estabelece uma diferença entre a vida da espécie humana, comum a todos os seres nela nascidos ou em vias de nascer, e a vida de um ser dessa espécie que se constitui como uma pessoa. A espécie a qual um ser pertence não pode ser a razão pela qual infligimos a esse ser dor e sofrimento, ou propiciamos a ele prazer e bem-estar. "Dar preferência à vida de um ser simplesmente porque ele é membro de nossa espécie é algo que nos colocaria na mesma posição dos racistas, que dão preferência aos que são membros de sua raça."[54]

Quando se discute o valor da vida, o valor da vida de um ser humano, e o da vida de uma pessoa, a questão central é a do direito de se tirar ou não a vida de tais seres. Há, porém, ainda uma segunda questão, a do direito de tratar os seres de modo discriminatório em função do valor que suas vidas possuem. Reconhecer um valor distinto para os seres que são pessoas, não implica em atribuir a esses seres o direito de maltratar ou mesmo de matar seres que não chegam a constituir-se como pessoas. Dado que não há superioridade nem inferioridade, embora haja distinção na qualidade de diferentes formas de vida, nenhum ser tem um direito superior ao de um outro ser qualquer à vida. O maior valor que sua vida lhe oferece deve bastar a um ser que vive uma vida distinta como privilégio. Nesse sentido, ao nascermos em uma espécie que nos dota de habilidades que nos permitem gozar a vida de uma pessoa, tal existência por si só já traz consigo tantos benefícios que não devemos concluir ter ainda mais direitos sobre a vida ou a condição de vida de outras formas de ser, diversas, distintas da nossa.

For fim, o atraso das ciências em relação à capacidade mental da maior parte das outras espécies animais não nos permite concluir que os demais animais não podem ter a existência de pessoas. Até há alguns anos atrás, dizia-se de todos os animais que eram incapazes de sentir dor, prazer, de pensar e de comunicar-se. Hoje já se diz de muitos deles que são capazes de tudo isso na sua forma específica. Enquanto não temos estudos mais refinados que nos permitam concluir que outros seres são incapazes de se tornarem pessoas, o melhor é "conceder-lhes o benefício da dúvida",[55] e isso significa, tratar a todos como se fossem pessoas, dispensando a eles os cuidados e prevenções que dispensamos a uma pessoa para minimizar seu sofrimento ou proporcionar seu bem estar.

Se concluirmos que embora um ser seja sensível e consciente das experiências presentes, não retém das mesmas qualquer memória, e, pois, não tem em relação ao futuro nem desejo de bem-estar nem cuidados para evitar situações hostis a esse bem-estar, assim, se um ser vivo não tem autoconsciência, a morte, para esse ser não aparece como uma ameaça capaz de lhe estragar o prazer de estar vivo. Mas, ainda assim, dado que o ser é dotado de sensibilidade em relação às experiências presentes, se a ele for imposta a morte, esta não pode ser dolorosa. "... A condição de senciente basta para que um ser seja colocado dentro da esfera da igual consideração de interesses"[56] e a qualidade de vida desse animal até o momento do abate expressa o nível de moralidade daqueles que o mantiveram vivo.

Referências: Peter Singer

quarta-feira, janeiro 10, 2007

IMPACTO AMBIENTAL DOS ABSORVENTES





Nossa menstruação e os absorventes....
Texto retirado do site:
www.coisasdemulher.com.br

O aBIOsorvente é um absorvente íntimo reutilizável, 100% algodão (anti-alérgico) e surge como uma alternativa ecológica aos absorventes descartáveis que, além de possuírem substâncias tóxicas, são bastante poluentes.

Você já tinha parado para pensar que podem existir alternativas aos absorventes descartáveis?

Que os descartáveis contém resíduos, do próprio processo industrial, que podem não fazer nada bem ao seu corpo (contribuindo para váaaarias doenças ginecológicas: desde a simples candidíase até um câncer de colo de útero)? Fora o impacto ambiental que eles causam: cada uma de nós irá consumir, ao longo da vida fértil, algo em torno de 10 mil absorventes descartáveis, que ficarão aí pelo mundo por volta de uns 100 anos...

Mas imagine que não é só você que está no planeta, que são milhões de mulheres
descartando todo dia absorventes, e contribuindo significativamente para piorar a qualidade de vida do mundo em que habitamos. Apenas nos Estados Unidos são jogados fora 12 bilhões de absorventes e 7 bilhões de tampões por ano. Isso é muita coisa!

Há quem pense que não pode fazer nada a esse respeito; que está esperando "alguém" inventar alguma coisa descartável que se desintegre no espaço após o uso. A questão aqui é que, até alguém inventar alguma coisa, pode demorar muito tempo. E porque a indústria irá investir tempo e dinheiro em algo que não se tem demanda?

O aBiosorvente é a solução para as mulheres que pensam globalmente e agem localmente, que sabem, que fazem a hora, e não ficam apenas esperando acontecer. Que são responsáveis por seus corpos, e estão confortáveis nele, escolhendo o melhor para si.

Como usar seu aBIOsorvente (absorve mais do que você imagina!):

- Para garantir uma boa absorção e higiene, lave antes de usar pela primeira vez.

É interessante ter um número adequado de aBIOsorventes ao seu fluxo, para que você não fique preocupada em lavar e secar rápido para usar no mesmo período novamente. Algo entre 6 e 12 aBIOsorventes é uma quantidade suficiente, irá depender do seu fluxo.

- O aBIOsorvente é composto de uma capa e de duas camadas internas. Coloque as camadas internas dentro da capa e posicione-o na calcinha com a parte sem costura volt
ada para cima. Prenda-o abraçando a calcinha.



Após usar o aBIOsorvente, se quiser você poderá deixá-lo de molho na água sem sabão e usar essa água para molhar suas plantas, pois é rica em nutrientes. As plantinhas agradecem ;-)

Depois, deixe de molho na água com sabão até a próxima lavagem na máquina. Não é preciso esfregar muito. O sangue, quando de molho apenas na água e na água com sabão, tende a sair quase ou completamente.

O seu aBIOsorvente é tão higiênico quanto uma calcinha, e deve ser lavado com o mesmo cuidado. É também bastante durável: você poderá reutilizar seu aBIOsorvente por volta de 6 anos. E, quando precisar jogá-lo fora, não se preocupe, pois ele será reintegrado à natureza em menos de um ano!

Seu aBIOsorvente já está pronto para o próximo ciclo!

Porquê Reutilizáveis?

Absorventes e tampões descartáveis são feitos de papel (árvores) alvejado e plástico, e vários contém ingredientes mais desagradáveis, como metais, surfactantes, desinfetantes, fragrância, bactericida, fungicida, gel absorvente, colas, e traços de organocloretos entre outras coisas. A lei não regula o que vai nos produtos menstruais, e as indústrias não precisam listar seus componentes na embalagem.

Pegando apenas um exemplo do impacto que isso pode ter em você: organocloretos, como a dioxina, um subproduto do processo de branqueamento, tem sido associada a problemas de saúde em humanos e animais, contribuindo para o câncer de mama, deficiências do sistema imunológico, endometriose, defeitos no feto e câncer de colo de útero (cérvix).

Nos Estados Unidos a congressista Carolyn B. Maloney introduziu o Ato de 1997 - Pesquisas e Segurança no uso do Tampão, para dar às mulheres informações mais acuradas sobre o uso de tampões, incluindo os perigos da dioxina. Há caso de mulheres que alegam infecções nas paredes da vagina devido ao uso de tampões. E produtos absorventes vem sendo associados ao aumento do risco da Síndrome do Choque Tóxico.

Cada uma de nós que usa descartáveis, joga fora algo em torno de 10.000 a 15.000 produtos menstruais durante a vida fértil. Isso é o equivalente a 17 carrinhos de supermercado cheios! Muitos tampões são jogados na privada, causando problemas no sistema de esgotos. E os aplicadores de tampões sujam as praias, não apenas poluindo essas áreas, mas milhares de pássaros e animais marinhos engolem esses plásticos por engano e tem problemas ou morrem. A maioria dos absorventes e tampões é embalada individualmente, e com plástico. Essa embalagem também vai parar no lixo. Todo produto que é usado apenas uma vez e jogado fora precisa ser reposto.

Um uso sustentável de recursos significa reduzir a porção de cada recurso que nós usamos, reutilizar o que pudermos e reciclar como última alternativa.






BLOOD SISTER PROJECT - menstruação libertária


o site http://bloodsisters.org/bloodsisters é um projeto independente em curso nos estados unidos, q visa desconstruir a imagem negativa e misógina da menstruação, conscientizar sobre os impactos ambientais e na saúde, e acima de tudo tornar a mulher independente em relação ao seu corpo e as corporações capitalistas, ensinando formas simples e práticas de confeccionar vc mesmo os próprios absorventes reutilizáveis e higienicos:

http://bloodsisters.org/bloodsisters/images/makepads.pdf
Panfleto/Lambe/Cartaz: